Cabo de Santo Agostinho vai receber R$ 65 milhões para saneamento

O Governo do Estado assinou duas ordens de serviço. Uma para saneamento e outra para melhorar distribuição de água da cidade

Inauguração da rede de distribuição de água vai beneficiar cerca de 500 moradores da comunidade de Serrota, em Petrolândia

O Cabo de Santo Agostinho vai receber R$ 65 milhões para obras em abastecimento de água e saneamento básico. Duas ordens de serviço foram assinadas nesta quarta-feira (18), sendo uma para as obras da melhoria do abastecimento de água no município e outra para aumentar a estruturação do saneamento na cidade, que tem uma das menores taxas de saneamento de toda a Região Metropolitana do Recife, com apenas cerca de 7%. As obras serão executadas pela Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), e juntas vão beneficiar mais de 70 mil pessoas quando concluídas.

A implantação da primeira etapa do Sistema de Esgotamento Sanitário no Cabo de Santo Agostinho tem o valor de investimento estimado em R$ 45 milhões, e vai atender cerca de 22 mil pessoas, o que deve ampliar para 20% a cobertura do serviço na região. O prazo para conclusão dessa fase é estipulado para julho de 2021, e deve atender os bairros de Cohab, Charnequinha, São Judas Tadeu e Centro, que serão beneficiadas com o assentamento de 25 quilômetros da rede coletora, a instalação de mais de 3 mil ligações domiciliares, a implantação de quatro estações de bombeamento e uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

Já o sistema de abastecimento de água do Cabo de Santo Agostinho, contempla os bairros de Cidade Garapu, Santo Inácio, Jardim Santo Inácio, Destilaria, Rosário e a localidade de Vila Claudete, com investimento de R$ 21 milhões em todo o projeto. As obras tem previsão de conclusão em dezembro do próximo ano, e integram o projeto a construção e energização de duas Estações Elevatórias de Água Tratada (EEATs), construção de Torre Piezométrica, implantação de Subadutoras de Água Tratada, Rede de Distribuição e instalação e substituição de ligações domiciliares.

De acordo com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, as obras são importantes para o projeto de sanear a Região Metropolitana nos próximos 10 anos. “É importante dar esse desdobramento de obras, temos um desafio enorme nos próximos anos e a obra está começando em um município estratégico. São duas obras fundamentais, e já em 2020 vai surtir efeitos importantes no abastecimento de água, e a partir de 2021 o saneamento da cidade”, destacou o governador.

O diretor de novos negócios da Compesa, Flávio Coutinho, reforça que ainda esta semana vai acontecer uma reunião para definir os próximos passos para início das obras. “Em torno de 7% do Cabo é saneado, e as obras vão permitir que tenha 20% de cobertura. A estrutura está sendo preparada para outras áreas do município, e futuramente outras obras serão feitas já se integrando a esse sistema construído”, disse Coutinho.

A secretária de Infraestrutura e Recursos Hídricos, Fernandha Batista, o prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém e a presidente da Compesa, Manuela Marinho, participaram do encontro para assinatura da ordem de serviço.


Secretaria do Turismo de Pernambuco apresenta nova identidade visual

Novo layout, criado pela artista Joana Lira, conta com elementos da cultura, da gastronomia e dos mais variados destinos pernambucano

Novo visual do turismo pernambucano

A identidade visual do turismo do Estado durante eventos e feiras terá uma nova cara. A Secretaria de Turismo e Lazer de Pernambuco divulgou nesta quarta-feira (18) a nova cara que os espaços da pasta durante encontros que promovam o setor terão a partir da próxima semana.

O novo layout conta agora com elementos da cultura, da gastronomia e dos mais variados destinos pernambucanos, e foi criado pela artista gráfica Joana Lira, a convite da secretaria, por meio da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur). A artista percorreu cerca de 15 municípios do estado, para a busca dos novos elementos necessários para compor o projeto gráfico.

O objetivo da pasta é de fazer com que o sentimento de pertencimento, a marca nova busca promover uma experiência para o turista, se apresentando por meio de um alfabeto iconográfico completo, com elementos da cultura local bem destacados, como sombrinha de frevo, o bolo de rolo, o maracatu rural, a igreja submersa de Petrolândia, a galinha de Porto de Galinhas e o Morro de Dois Irmãos, de Fernando de Noronha, entre outros que identificam Pernambuco.

A estreia da nova identidade visual do turismo do Estado será na 47ª Feira das Américas, promovida pela Associação Brasileiras das Agências de Viagem (ABAV), de 25 a 27 de setembro, em São Paulo. A feira é um dos principais eventos do turismo na América Latina e uma grande vitrine para os destinos nacionais e internacionais, e o secretario de turismo, Rodrigo Novaes, destaca que a mistura de cores é um diferencial.

“Essa é a marca que vamos usar nas publicidades e no material de trabalho promocional do turismo. O que foi feito Joana Lira, ela percorreu municípios com símbolos culturais mais destacados, ainda que não reconhecidos, ela fez um material com os ícones. Estamos com um material todo pronto, com uma mistura de cores bem diferentes”, estacou Novaes.

O espaço para promoção do turismo no evento terá uma área de 70 metros quadrados, e o estande terá um formato diferenciado, com duas ilhas de atendimento com tablets, sala de reunião, entre outros.


Show de Roberto Carlos no Recife já tem data marcada

Crédito: João Vitor Alves/Divulgação

Roberto Carlos já tem data para retornar ao Recife. Comemorando 60 anos de carreira, o cantor Roberto Carlos, retorna ao Recife após dois anos de espera. A apresentação está marcada para o dia 7 de dezembro e vai acontecer no Classic Hall.

O show vai reunir os principais sucessos da sua carreira, além de relembrar épocas e histórias da sua trajetória. Os ingressos para a apresentação na capital pernambucana começam a ser vendidos nesta segunda-feira (23) através da bilheteria do Classic Hall, sem taxas adicionais, ou pelo site do Eventim.

Confira os setores e valores disponíveis:

– Cadeira Emoções (sem numeração, por ordem de chegada): R$ 150 (meia entrada) e R$ 300 (inteira)

– Mesa VIP: R$ 2,2 mil, para 4 pessoas

– Mesa Premium: R$ 2,4 mil, para 4 pessoas

– Camarote Superior, 3° piso: R$ 3 mil, para 10 pessoas

– Camarote Superior, 2º piso: R$ 3,5 mil, para 10 pessoas

– Camarote Superior, 1º piso: R$ 4 mil, para 10 pessoas


Atrativos turísticos do Recife ganham espaço na ABAV

LETREIRO Recife – Maurício Ferry

A maior feira de turismo das Américas, a Associação Brasileira dos Agentes de Viagens (ABAV), vai receber itens recifenses.

O Espaço Recife vai levar o Galo da Madrugada, Marco Zero e letreiro RECIFE à 47ª edição do evento, que acontece nos dias 25, 26 e 27 de setembro,no Expo Center Norte, em São Paulo.

No local será montado um lounge de 80m² que contará com réplicas de alguns dos melhores atrativos turísticos da cidade. 

No ano passado, a ABAV contou com mais de 20 mil visitantes profissionais, 1,1 mil marcas expositoras, 21 destinos internacionais e mais de 600 profissionais da imprensa.

A feira possui escritórios em todos os estados do Brasil e, juntamente às agências associadas, representa 80% das vendas nacionais.


O novo restaurante no rooftop do Museu Cais do Sertão no Recife Antigo

Cais do Sertão – Foto: Francisco Andrade/Divulgação

Está na reta final o novo restaurante no rooftop do Cais do Sertão, com projeto assinado pelo arquiteto Humberto Zirpoli, de 344 m² e capacidade para acomodar 222 pessoas em diferentes ambientes.

As obras estão a todo vapor e vai privilegiar uma linda vista para o mar. 

Sob o comando do novo empreendimento estão os empresários Jason Vieira, Gustavo Satou, Rodrigo Carvalheira, Oscar Gundes e o chef Renato Valadares, que assina cardápio baseado em ingredientes nordestinos executado com técnicas internacionais. 

A previsão de abertura é para novembro. 


Compesa constrói travessia sobre Canal da Transposição do Rio São Francisco para levar água a Custódia

A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) realiza as últimas intervenções para concluir a construção de uma travessia com estrutura metálica sobre Canal do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco, nas imediações do povoado de Waldemar Siqueira, Zona Rural de Sertânia. A travessia integra as obras de implantação da Adutora de Custódia, que possibilitará interligar o Canal da Transposição à Estação de Tratamento de Água da cidade, no Sertão do Moxotó, para melhorar, de forma definitiva, o abastecimento de água para 35 mil moradores da cidade, que sofre com ciclos de seca extrema. O novo sistema está previsto para ser concluído no primeiro semestre de 2020.

Cerca de 14 quilômetros de tubulações (com 400 milímetros de diâmetro) já foram implantados às margens da BR 232. “A travessia possui um vão de 33 metros e permitirá que a tubulação da adutora atravesse o Canal da Transposição do Rio São Francisco para levar o incremento de 82 litros de água, por segundo, para o abastecimento da cidade de Custódia”, informa o diretor Técnico e de Engenharia da Compesa, Rômulo Aurélio Souza, que considera essa etapa a mais importante do empreendimento. No total, a Adutora de Custódia terá 23 quilômetros de extensão e recebe o investimento do Governo do Estado no valor de R$ 30 milhões, recursos FGTS/Caixa.

Outra frente de trabalho está atuando na área da Estação de Tratamento de Água de Custódia. Além da ampliação da unidade, que vai dobrar a capacidade de tratamento, será construída uma estação elevatória (bombeamento) no distrito de Rio da Barra, no município de Sertânia, para aproveitar a captação existente no canal de aproximação na saída da Barragem do Moxotó – mesmo local onde já existe a estrutura da Estação Elevatória (EB-1) pertencente ao Sistema Adutor do Moxotó. Para completar o novo sistema adutor, a Compesa também está construindo um reservatório com capacidade de armazenar mil metros cúbicos de água e fará a instalação de cinco mil hidrômetros. “Recebemos a demanda do governador Paulo Câmara para viabilizar o abastecimento de Custódia com as águas do Rio São Francisco. A nossa equipe técnica desenvolveu o projeto e fomos em busca dos recursos para tirar a obra do papel”, pontua Rômulo Aurélio Souza.


Chegou ao Brasil: confira os privilégios do Amazon Prime

É a maior iniciativa da Amazon no Brasil desde 2012

O novo serviço da Amazon chega ao Brasil nesta terça (10) – Foto: divulgação

Chega ao Brasil, nesta terça-feira (10), o novo serviço de assinatura de produtos de entretenimento e compras da Amazon. O serviço, que já atuava em 18 países, tem cerca de 100 milhões de clientes. Com o Amazon Prime, os brasileiros ganharão, em alguns produtos, descontos e frete grátis ilimitado.

O plano ainda traz para o país a plataforma de música e leitura que se junta ao Prime Video ( streaming de filmes e séries) e ao Twitch (plataforma de jogos online), que antes eram assinados individualmente. Dessa forma, a Amazon bate de frente com as empresas rivais estabelecidas, como Netlfix, Magazine Luiza e Mercado Livre.

Resultado de imagem para amazon prime
Imagem ilustrativa – Foto: divulgação

Além do pacote, que custará R$ 9,90 ao mês ou R$ 89 ao ano, o frete de a partir de dois dias úteis se estende para mais de 90 cidades, localizadas, principalmente, nas regiões Sul e Sudeste. Portanto, a Amazon desponta com uma ofensiva de grande porte. A iniciativa foi a mais incisiva desde que chegou ao país em 2012. Inicialmente, laçou a a venda de livros e nos últimos dois anos ampliando abrindo gradualmente a plataforma para venda de eletrônicos, roupas e itens esportivos.

Resultado de imagem para amazon prime
Imagem ilustrativa – Foto: Divulgação

De acordo com a Amazon, é a primeira vez que a empresa lança o Amazon Prime com todos os benefícios de uma só vez em um país. “O Prime é sempre muito customizado para cada mercado”, diz Talita Bruzzi Taliberti, gerente-geral para Prime na Amazon Brasil. Dessa forma, o serviço chega com tudo no país.


Forte demanda por cientista de dados motiva nova pós da Cesar School

Os dados são o novo petróleo. De olho nas novas tendências de mercado, empresas do país todo demandam cada vez mais especialistas em Data Science.

A carreira, contudo, ainda carece de formação nas universidades brasileiras. Por conta disso, a Cesar School apresenta o novo curso de especialização de sua grade: Análise e Engenharia de Dados, cuja primeira turma terá início em novembro de 2019.

Felipe Ferraz é o coordenador do novo curso do Cesar School.

Dirigido a profissionais já graduados em áreas do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), o curso será realizado em parceria com o Centro de Informática da UFPE. As aulas serão presenciais no Recife, na própria Cesar School, que se localiza no Porto Digital. As aulas ocorrerão às sextas e sábados, totalizando 360 horas ao longo de 18 meses de curso.

“Muito se fala hoje na importância da análise e engenharia de dados e, parafraseando o matemático inglês Clive Humby, “dados são o novo petróleo”, de fato”, observa o coordenador do novo curso do Cesar Felipe Ferraz.

“E a todo momento surgem novos projetos e serviços que exigem formação mais sólida na área, por isso buscamos compor uma formação técnica, científica e aplicada em parceria com professores oriundos da UFPE”. A previsão é de que a primeira turma seja formada com 25 alunos.

As inscrições estão abertas e oferecem desconto de 15% até 20/9 e de 10% até 7/10. O pagamento pode ser feito em 18 mensalidades no valor de R$ 920.


Viveiro do Jardim Botânico do Recife produz 1,2 mil mudas por ano para arborização da cidade

img_alt
Pau-brasil, ipês, sibipiruna, pau-ferro, pau-de-jangada são algumas das 29 espécimes nativas da Mata Atlântica cultivadas no espaço público (Foto: Cortesia)

O Recife mantém uma cobertura vegetal importante. São 71,6km² de área verde que beneficia toda a população com bem-estar, paisagismo, melhorando a qualidade e umidade do ar. As árvores que são plantadas em corredores viários, parques, praças e unidades de conservação da natureza nascem em um verdadeiro berçário de plantas situado no Jardim Botânico do Recife (JBR), equipamento ambiental da Prefeitura do Recife.

É do viveiro que surgem as árvores e flores que fazem vibrar as cores da capital pernambucana com o objetivo de suprir a necessidade de mudas para plantios em arborização urbana, paisagismo e recuperação de áreas degradadas, prestando um serviço que beneficia toda a população.

Além de funcionar também como local para desenvolvimento de pesquisas e experimentos científicos, tanto na parte de plantas florestais como experimentos de cactos, bromélias, orquídeas e passifloraceaes, as principais coleções científicas do espaço.

Com capacidade de produzir 1,2 mil mudas ao ano, o viveiro é mantido a partir de sementes de espécies nativas de Mata Atlântica coletadas na própria área do JBR ou em expedições organizadas em outras unidades de conservação.

Atualmente, as mudas que estão no local são pertencentes a dez famílias botânicas e aproximadamente 29 espécimes, incluindo pau-brasil, ipês, sibipiruna, pau-ferro, pau-de-jangada. “Periodicamente fazemos coletas na região metropolitana do Recife, em expedições de coletas em outros municípios do estado e de outros estados também.

A ideia é coletar sementes com maior diversidade genética possível, o que torna as mudas produzidas mais adaptáveis e resistentes. Hoje, cerca de 90% das espécies que ocupam o viveiro do JBR são nativas”, explica o engenheiro agrônomo e analista ambiental do Jardim Botânico, Bruno Viana.

Constantemente é realizado todo registro referente à produção e destinação de mudas, seja para suprir a demanda interna de reflorestamento das unidades protegidas, para casos específicos de doação para plantio em escolas públicas/privadas.

“Todas as informações, como as solicitações de doações de mudas, ou quaisquer outros tipos de destinações de mudas do viveiro são informatizadas em planilhas digitais, sendo todos os documentos (ofícios, memorandos, declarações) devidamente arquivados no Setor de Administração do Viveiro”, explica o gerente geral do Jardim Botânico, Sérgio Rocha.

A manutenção do viveiro é diária. É levado em consideração o controle de plantas invasoras, sistemas de irrigação, composteiras, trasnplantios, semeadura, preparo de substratos, tutoramento de mudas, entre tantas outras especificidades. Segundo o analista ambiental Bruno Viana, as etapas de produção das mudas iniciam com o processo de recolhimento das sementes de matrizes selecionadas.

Em seguida são beneficiadas e semeadas em tubetes na casa de vegetação. Após cerca de 3 meses,  as plântulas são transplantadas para vasos porta-mudas maiores (18 litros) e colocadas dentro das telas de sombreamento a 50% e passam um período de aclimatação. Por fim, são transferidas para áreas dos lotes com sol pleno onde irão atingir 2,20m de altura, quando então estarão aptas a serem plantadas na cidade do Recife.

As mudas do viveiro são destinadas aos pedidos dos moradores do Recife através do programa gratuito Bora Plantar?. Por meio do telefone 156 são feitas as solicitações de plantio de mudas, na qual são analisadas pela equipe técnica da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SMAS) para definição da melhor espécie para cada logradouro. O prazo de plantio após recebimento da solicitação é de 20 dias. “A Prefeitura vem desenvolvendo um trabalho importante de arborização, tornando a nossa cidade mais verde e nossas praças e equipamentos públicos mais agradáveis por meio do plantio de mudas nativas e ornamentais. Contamos com a parceria de toda a população para que essas árvores permaneçam bem cuidadas e preservadas”, destaca o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Neves Filho. 

Jardim Botânico do Recife – O equipamento ambiental da Prefeitura do Recife está localizado na Rodovia BR 232, s/n – Curado e funciona de terça a domingo, das 9h às 15h30. Entrada é gratuita. 


Seres renova convênio com produtora de uvas em Petrolina e mantém emprego de reeducandos

uvas
Desde 2017, o número de reeducandos trabalhando na Fazenda Vale das Uvas aumentou 550%.

A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), através da Penitenciária Doutor Edvaldo Gomes, em Petrolina (PDEG), no Sertão de Pernambuco, renovou o contrato com a empresa Labrunier, empregadora da mão de obra carcerária. Os detentos do regime semiaberto e domiciliar trabalham na fazenda Vale das Uvas – na região do Vale do São Francisco – localizada na Estrada Pedrinhas, km 14, Serrote do Urubu. Petrolina é reconhecida internacionalmente na produção de uvas e vinhos.

Desde 2017, houve um aumento de mais de 550% no número de detentos trabalhando na Fazenda Vale das Uvas. Numa jornada de trabalho de 44 horas semanais, os reeducandos, sob monitoramento eletrônico, plantam, adubam e colhem as uvas. O convênio contempla 78 trabalhadores, desses, 41 estão no regime de prisão domiciliar adquirido pelo bom comportamento e disciplina. Os demais permanecem no semiaberto, caracterizado pela saída durante o dia para trabalhar retornando à noite para a unidade prisional. “A contratação de reeducandos é um bom negócio para todos os atores envolvidos com a ressocialização. Ganha o preso, com a oportunidade de se reinserir no mercado de trabalho; ganha a empresa na redução de impostos e na prática da responsabilidade social; e ganha a população que tem os índices de violência reduzidos” detalha o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico.

Conforme a Lei de Execuções Penais, ficam sob responsabilidade da empresa a exigência da jornada de trabalho, remuneração com valor correspondente a 75% do salário mínimo – sendo 25% destinado ao pecúlio -; além do fornecimento de refeições diárias e transporte para o deslocamento dos apenados. A Seres se responsabiliza pelo monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras, indicação dos detentos conforme aptidões e perfil, e supervisão. Há quase um ano no programa, o reeducando Roberto Carlos Rodrigues, 28, alcançou a prisão domiciliar e ainda usufrui da remuneração. “Esse trabalho é muito bom, me proporcionou a domiciliar abrindo portas pra mim e ainda posso ajudar meu filho e pagar meu aluguel com o que ganho”, contou.

“No início houve uma resistência por parte dos colaboradores da empresa mas a produção e o envolvimento dos reeducandos são muito positivos e hoje não há mais rejeição, inclusive, eles participam dos programas de reconhecimento interno como incentivo”,  contou o gerente Administrativo da Fazenda Vale das Uvas, Luciano Labrunier. Ele acrescentou que os reeducandos ingressam no programa após passarem por uma habilitação teórica e prática e saem diplomados.


Obras na Avenida Conde da Boa Vista estão adiantadas em dois meses

As obras estão na terceira fase

A previsão da Prefeitura do Recife é que a fase 3, que teve início no dia 26 de agosto, seja concluída em quatro meses  / Foto: Bruno Campos/ JC Imagem
A previsão da Prefeitura do Recife é que a fase 3, que teve início no dia 26 de agosto, seja concluída em quatro meses
Foto: Bruno Campos/ JC Imagem

As obras da Nova Conde da Boa Vista estão adiantadas em dois meses. Em coletiva realizada na tarde desta segunda-feira (16), a Prefeitura do Recife divulgou o balanço das obras. As fases 1 e 2 foram concluídas e a 3 está em andamento.

Nas duas primeiras fases, foram beneficiados os trechos compreendidos entre a Rua da Aurora e a Rua dos Hospício; Rua do Hospício e a Rua Gervársio Pires; Rua Gervársio Pires e a Rua José de Alencar; e a Rua José de Alencar e a Rua da Soledade (trecho Norte).

A terceira fase teve início no dia 26 de agosto e tem previsão de término em quatro meses. A fase 03 contempla os trechos entre a Rua José de Alencar e a Rua da Soledade (trecho Sul); Rua da Soledade e a Rua das Ninfas; e a Rua das Ninfas e a Rua Oswaldo Cruz.

A primeira fase das obras teve início no dia 2 de abril de 2019. 

Estações de BRT

Nesta semana está previsto o início da construção da primeira parada de BRT do projeto, a Estação Hospício. A construção será executada entre as fases 3 e 4 e tem previsão de ser concluída em seis meses. A Estação Soledade será feita entre as fases 5 e 6, com o mesmo prazo de conclusão da Estação Hospício.

Quiosques

Na Avenida Conde da Boa Vista, um protótipo dos quiosques que serão utilizados pelos comerciantes ao longo da via foi implantado. Serão contemplados 100 ambulantes e, para cada vendedor, será disponibilizado um equipamento com 1,20 x 1,00 de dimensão.

JC Online


Google estimula aplicativos para empreendedores

Meu Negócio e Ads são as ferramentas ofertadas pelo Google para ajudar novos empresários e os já consolidados

Bruno Cantarim, gerente do Google destaca a importância dos apps para os empreendedores

De 2013 a 2017, quase um bilhão de novos usuários se conectaram à internet. Segundo um relatório de tendências feito pelo Google em parceria com a Bain & Company, o Brasil está entre os 11 países que vai contribuir de forma significativa com o próximo bilhão de usuários que irão se conectar até 2021. E por isso, a tecnologia deve ser usada como um aliado dos empreendedores para que consolidem os seus negócios.

Google, por exemplo, conta com duas ferramentas específicas que permitem ao empreendedor prosperar no seu negócio e manter a presença dele nas ferramentas de Busca e publicidade da empresa, que são o Google Meu Negócio e o Google Ads.

Segundo o Relatório de Impacto Econômico do Google as duas ferramentas de busca e publicidade ajudaram a movimentar R$ 41 bilhões em atividade econômica no Brasil somente em 2018.

De acordo com o gerente de desenvolvimento de negócios do Google, Bruno Cantarim, as ferramentas podem ajudar não só os empreendedores consolidados, como também impulsionar as pessoas que ainda não chegaram ao mercado.

“Se a pessoa estiver em um estágio de começar um negócio, entender quais as possibilidades, tipos de serviço que podem explorar, o Google Meu Negócio pode ser uma grande ferramenta onde o empreendedor poderá ouvir do consumidor o que é melhor, mais valorizado, e o feedback que poderá melhorar. As informações deixadas na Plataforma são ricas em conteúdo, por comentários”, destacou.

Bruno Cantarim aponta que os comentários deixados nas plataformas devem ser utilizados de forma positiva pelos empreendedores, para fazer com que o negócio tenha uma cara nova e se molde para melhora atender aos clientes.

“É tudo sobre como receber esses sinais do consumidor, para fazer do recurso um espaço de experimentação. O empresário pode ver os melhores dias de movimento, para criar uma promoção nos dias específicos que se tem uma demanda maior, é tudo sobre como receber as informações”, disse Bruno.

Segundo dados de uma pesquisa realizada em novembro do ano passado pela Provokers, 96% dos brasileiros utilizam a internet para pesquisar sobre produtos e serviços oferecidos por pequenas e médias empresas, mas 40% dessas empresas ainda não estão com presença na web. Segundo Cantarim, essa é uma oportunidade que deveria ter mais atenção por parte dos empresários.

“Nas ferramentas é possível saber o que o consumidor leva em consideração para ir a algum lugar, sabendo se o lugar é bem avaliado, é importante ter fotos do ambiente, para que o cliente saiba se vai se sentir bem, é bom ter as informações atualizadas a respeito do empreendimento. O Google Ads é importante para que novos clientes saibam da presença da empresa”, reforçou o gerente do Google.

A empreendedora Larissa Souza dos Santos, da Snack Saudável, é uma das pessoas que utiliza das ferramentas disponibilizadas pelo Google. Larissa iniciou o seu negócio em Ji-Paraná, no estado de Rondônia, onde a partir da dificuldade do seu filho em ter lanches saudáveis na escola, ela buscou empreender nesse segmento para melhorar a alimentação de outras crianças.

“A gente divulga isso por meio das redes sociais, e os pais e empresas privadas contratam o serviço e entregamos na escola onde a criança estuda, uma pessoa da Snack entrega e deixa em um local da escola, com todas as informações identificadas”, explicou.

Por conta das ferramentas disponibilizadas pelo Google, o negócio de Larissa cresceu, e hoje já está no modo de franquia, e destaca que os recursos podem filtrar os clientes. “Recife é uma cidade que tem demanda e tem público. Temos grandes expectativas e vendemos duas unidades, onde a primeira deve inaugurar agora em janeiro. É um estado que tem população correspondente.

O valor de investimento com a taxa de franquia é de R$ 82 mil. As ferramentas são fantásticas, conseguimos atrair o cliente mais filtrado e o cliente que vem é direcionado, proporcionam um nível de conversão boa, eles conseguem chegar até nós”, destacou.

Bruno Cantarim, gerente do Google destaca a importância dos apps para os empreendedores
Bruno Cantarim, gerente do Google destaca a importância dos apps para os empreendedores
Foto: Divulgação
Larissa Souza dos Santos conseguiu crescer o seu negócio por meio das ferramentas
Larissa Souza dos Santos conseguiu crescer o seu negócio por meio das ferramentas
Foto: Divulgação

Discussão sobre redução de subsídio cria boom no setor de energia solar

Com as mudança nas regras em discussão na Aneel, os próprios consumidores instalam painéis e repassam a energia que sobra às distribuidoras, obtendo descontos na conta de luz

Placas solares em Noronha

Diante da perspectiva de mudanças legais, empresas costumam suspender investimentos à espera da uma definição. No caso da geração de energia solar está ocorrendo o inverso. A mudança nas regras em discussão na Aneel (agência reguladora do setor) impulsiona um boom de investimentos –especificamente na chamada geração distribuída.

Nesse modelo, os próprios consumidores instalam painéis solares para abastecerem suas casas ou indústrias e estabelecimentos comerciais, repassando a energia que sobra às distribuidoras, obtendo descontos na conta de luz. A corrida tem razão econômica: a discussão em curso prevê reduções do subsídio a esses pequenos geradores.

Segundo a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), a geração distribuída movimenta R$ 5,6 bilhões em investimentos hoje. Grandes empresas –mesmo não tendo direito ao subsídio– também miram o setor. A entidade estima que outros R$ 23 bilhões serão mobilizados nos leilões previstos até 2023 para a criação de parques solares. A energia solar representa 1,2% da matriz energética brasileira. É a sétima fonte, longe dos 61% das hidrelétricas e atrás da sua maior competidora, a eólica, que fica com 8,7%.

A queda no custo dos painéis e os avanços tecnológicos têm permitido que a fonte ganhe eficiência e competitividade em todo o mundo. No Brasil, o setor, que engatinhava em 2012, bate hoje a marca de 3,1 GW (gigawatts), o suficiente para abastecer 1,5 milhão de residências –1 GW vem de geração distribuída. As regras atuais desse tipo de geração, elaboradas em 2012, preveem uma espécie de subsídio cruzado.

Quem adere aos painéis solares precisa conectar sua instalação ao sistema de uma distribuidora. O pequeno gerador utiliza toda a infraestrutura dessa distribuidora, que também contabiliza o trânsito da energia. A rede da distribuidora funciona, assim, como bateria que guarda créditos do excedente de energia por 60 meses. O serviço prestado pelas distribuidoras, porém, não é remunerado pelo pequeno gerador, e os custos fixos da prestação do serviço são rateados entre todos os consumidores que não têm geração própria.

A Aneel traçou cinco cenários em que pequenos geradores passariam a remunerar as distribuidoras e pagariam entre 28% e 63% da tarifa cheia. “Quem tiver o sistema de geração homologado e funcionando antes da entrada em vigor da norma terá um prazo de carência de até 25 anos, pelas discussões atuais. Isso tem estimulado uma corrida para instalação de sistemas”, diz Roberto Lima, sócio do escritório Cescon Barrieu.

O diretor-geral da Aneel, Rodrigo Pepitone, já disse que nova fase da consulta pública sobre o tema será aberta até outubro. A definição das regras ocorrerá no início de 2020. “Temos 120 mil unidades consumidoras abastecidas hoje por energia solar, mas o potencial é de 84 milhões. O ritmo de crescimento vai depender da nova regra, mas nós defendemos que a regra atual seja mantida”, diz Ronaldo Koloszuk, presidente do conselho da Absolar.

“O setor ainda é criança, tem 15 mil empresas descentralizadas. As distribuidoras também estão com empresas de geração fotovoltaica, mas querem atrasar o jogo.”
“O ritmo de expansão hoje é alto, são 300 novos sistemas por dia, uma curva bastante pronunciada. Em um cenário em que o governo quer baixar o valor da tarifa de energia, faz sentido cobrar por parte dos custos do fio”, afirma Eduardo Monteiro, diretor-executivo do Instituto Acende Brasil.

Entre grandes empresas, a mudança da regulação tem feito diferença na decisão sobre investimento. É o caso, por exemplo, da Votorantim Energia, que hoje tem dois parques eólicos, mas que analisa investir em energia solar. “Olhamos principalmente para a possibilidade de instalar energia solar nos nossos parques eólicos, o que a regulação não permite, mas deverá mudar. Também olhamos para parques solares prontos. Na geração distribuída, vemos uma oportunidade, o mercado vai crescer”, diz Carlos Guerra, diretor de inovação da empresa.

O grupo Enel faz investimentos tanto em grandes usinas como em projetos de geração distribuída. A empresa, que possui também distribuidoras de energia, tem se manifestado pela redução do subsídio cruzado. “As distribuidoras precisam investir para adaptar suas redes para operar uma rede mais complexa. A empresa acredita que esses investimentos, que são necessários para permitir a troca de energia entre consumidor e geradores distribuídos, devem ser reconhecidos de forma a manter o equilíbrio financeiro do setor de distribuição”, disse em nota.

Já a cervejaria Ambev fechou contratos de R$ 140 milhões para a construção de 30 usinas solares que fornecerão energia por meio de geração distribuída a seus centros de distribuição. Os locais iniciarão o funcionamento até março de 2020. Segundo Leonardo Coelho, diretor de suprimentos e sustentabilidade da companhia, a redução no custo da energia ficou “na casa dos dois dígitos” para a empresa. O grupo francês de energia Engie, que hoje concentra a maior parte dos negócios de energia solar em geração centralizada, quer diversificar e investir em geração distribuída, segundo o diretor de operações, Paulo Henrique Müller.

“Enxergamos uma transição energética em curso e queremos participar dela. Hoje nos preparamos para todos os cenários de mudança regulatória. Nossa projeção de investimento varia entre R$ 200 milhões e R$ 500 milhões para os próximos cinco anos, a depender de como for essa mudança”, diz. A empresa não tem uma posição quanto ao fim do subsídio, segundo ele.

Por: FolhaPress


Festa Boat Party em Maracaípe pode ter edição de esquenta para o Réveillon 2020

Boat Party – Foto: Maquina 3

Os fãs da festa Boat Party, tradicional do Circuito Pé Na Areia, não precisam lamentar.

Os produtores da Go! Elephants, Allana Marques, Lucas Logiovine e Thiago Megale, estão tramando fazer um esquenta para o Réveillon de Maracaípe, 30 dias antes da virada do ano, garantido a diversão à bordo dos barcos no litoral pernambucano.

A Boat aconteceu dois anos seguidos em Maragogi, litoral de Alagoas, e conta com os barcos Banana Boat, Tropical Boat e Data Boat animados por DJs. 

Pé na Areia 2020

O Réveillon foi reconfigurado, retornou para o litoral pernambucano com o nome Réveillon Maracaípe “Quero ser feliz também” com produção da ZeroNeutro e Go! Elephants.

Vai incluir ainda uma prévia Esquenta, no dia 28, terá a virada do ano em grande estilo no dia 31 de dezembro. As atrações ainda não foram confirmadas. Os valores dos ingressos e início das vendas serão divulgados em breve.  


Chef Maradona do Faustão vai inaugurar pizzaria no Recife

Créditos: Divulgação

O chef Maradona anunciou neste domingo (15) que vai abrir pizzaria no Recife.

Conhecido por ser o pizzaiolo preferido das estrelas, parte do núcleo fixo do programa do Faustão, ele gravou um vídeo contando a novidade para os pernambucanos.

A inauguração está prevista para o mês de outubro e inicialmente o estabelecimento vai funcionar a partir do sistema delivery.

Confira:


Recife é a primeira capital brasileira a receber nova turnê da Bon Jovi

Bon Jovi – Créditos: Divulgação

A turnê This House Is Not For Sale chega ao Brasil no próximo dia 22 de setembro. A banda Bon Jovi, dos EUA, vai passar por três paradas pelo país, além do show no Rock in Rio. 

O grupo inicia a turnê com show no Recife, no Estádio do Arruda; depois segue para São Paulo, no Allianz Parque, no dia 25 de setembro; e finaliza a turnê em Curitiba, na Pedreira Paulo Leminski, no dia 27 de setembro.

A turnê, que começou em 2016, já visitou os Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália, América Latina, tocará na Europa neste verão, e retorna à América Latina pela segunda vez.

Os shows terão como convidado especial a banda Goo Goo Dolls, que trazem um catálogo repleto de músicas inesquecíveis, como IrisNameSlideBlack Balloon, e muitas outras. 

Confira as informações de ingressos dos shows de cada capital:

RECIFE

Data: 22 de setembro de 2019
Local: Estádio do Arruda – Av. Beberibe, 1285 – Arruda
Abertura da casa: 15h30
Show do Goo Goo Dolls: 19h15
Show do Bon Jovi: 20h30
Classificação etária: 15 anos. Menores a partir de 08 até 14 anos, apenas acompanhados dos pais/responsáveis legais. *Sujeito a alteração por Decisão Judicial.


Réveillon da Carvalheira divulga atrações dos cinco dias de festa

Crédito: Divulgação/Agência Carvalheira

O Réveillon da Carvalheira em Fernando de Noronha, vai contar com cinco dias de festas. Além das tradicionais Corona SunsetsBenção e Borogodó, o novo selo Memories passa a integrar a programação da semana da virada.

Junto com o Grupo Ecocharme, a Agência divulgou a programação completa que vai receber atrações para todos os gostos.

Os ingressos estão à venda no site Padrão Carvalheira e custam a partir de R$550 (unitário), R$ 1.200 (Reveillon) e R$ 3.000 (pacote 5 dias).

Confira a programação completa:

28/12| 17h – Corona Sunsets | Open Bar
• Chemical Surf • Pontifexx • RDT • Ari Bozza • Korossy •
.
29/12 | 22h – Borogodó | Open Bar
• Banda Eva • Felipe Mar • São 2 • Pathy DeJesus • Korossy •
.
30/12 | 22h – Benção | Open Bar
• Zeh Pretim Crew • Make U Sweat • Pedro Sampaio • Pathy DeJesus • Ari Bozza •
.
31/12 | 22h – Réveillon Carvalheira | Open Bar & Open Food
• Bhaskar • Felipe Mar • Mojjo • RDT • Ari Bozza •
.
02/01 | 23h59 – Memories | Open Bar
• Vintage Culture & Friends •


A LINDEZA DO MERCADO DE SÃO JOSÉ NO RECIFE

A imagem pode conter: casa, árvore, céu, noite e atividades ao ar livre

Inaugurado no dia 7 de setembro de 1875, o edifício do mercado é considerado hoje como a mais antiga estrutura pré-fabricada em ferro montada no Brasil.

Exportada da Europa para o Recife, a imensa estrutura teve seu desenho inspirado no mercado de Granelle (Paris).

O projeto é do engenheiro J. Louis Lieuthie e foi construído por outro engenheiro francês, Louis Léger Vauthier (esse responsável também pelo Teatro de Santa Isabel).

O nome do mercado faz referência ao bairro onde está construído, substituindo o antigo Largo da Ribeira do Peixe, local de comércio hortifrutigranjeiro.

O edifício passou por várias reformas ao longo do tempo e hoje tem uma área coberta de 3.541 m2.

O prédio é formado por dois pavilhões com 377 compartimentos de diversos produtos (comércio de pescados, alimentício e de artesanato). #efemérides #mercadodesaojose


Sequência na Série A, sócios e naming rights: Bivar sonha com arena do Sport

Modelo apresentado mais recentemente pelo Sport acabou ficando no papel. Foto: Divulgação / Sport
Modelo apresentado mais recentemente pelo Sport acabou ficando no papel.
Foto: Divulgação / Sport

Inaugurado em 1937, o estádio Adelmar da Costa Carvalho é símbolo de apreço de todo torcedor do Sport e um marco do futebol pernambucano, servindo inclusive como palco para jogos da Copa do Mundo de 1950. Quase centenária, a Ilha do Retiro hoje foge dos atuais padrões da FIFA para receber jogos do mais alto nível de seleções, o que desperta o interesse de uma reforma na estrutura do estádio, como no caso do presidente executivo, Milton Bivar.

Em entrevista exclusiva ao repórter Antônio Gabriel, da Rádio Jornal, o mandatário leonino resgatou o desejo de adequar a Ilha do Retiro aos padrões mais atuais de arena, condicionando a fatores que vão desde a estabilidade do clube na elite do futebol brasileiro, até a negociação de direitos a investidores no setor de construção civil.

“Tenho vontade enorme e desejo muito grande de reformar a Ilha do Retiro. Tenho certeza que, se o Sport ficar dois ou três anos na Série A e a gente continuar tendo apoio dos sócios e tudo o mais, que eu consigo em quatro ou cinco anos que o Sport pode ter uma arena com recursos próprios”, apontou Milton Bivar.

“LONGO PRAZO”

Ainda de acordo com o presidente, o passo da reforma só poderá se realizar a partir de uma gestão das atuais dívidas do clube. “É um negócio a longo prazo. Não esperava que a coisa fosse tão difícil, que o buraco fosse tão fundo como a gente constatou que é. Já trabalhamos dentro dessa expectativa. É um trabalho longo, que não vai mudar da noite para o dia. Mesmo voltando para a Série A, que pode dar um alento no aspecto financeiro, o Sport não pode fugir dessa gestão de responsabilidade como estou fazendo”, destaca, antes de prometer não expandir os débitos do clube nos próximos anos.

“Conseguimos estancar as dívidas. Elas não vão aumentar um real sequer este ano e para o próximo ano também não vão aumentar. A tendência, se voltar para a Série A, é que ela (dívida) venha a diminuir ano a ano, para que assim a gente retorne à estabilidade financeira e possa ter um crescimento sustentável para o clube investir no patrimônio”, completou.


Contribuintes pagam a vida mansa da classe política

Quem paga a vida mansa.

Charge do blog Nei Alberto Pies

Por Carlos Brickmann

Quando eu era garoto, os políticos não eram muito diferentes dos de hoje. Jogavam pesado durante o mandato, faziam o que não deviam na campanha. Mas tudo com dinheiro recolhido por eles: havia quem tomasse algum dos bicheiros, das prostitutas, dos motoristas de táxi, dos pequenos empresários (muitos) e dos grandes empresários (poucos).

Havia chantagem, havia toma lá dá cá, havia promessa de favores a quem doasse mais – mas cada partido, cada candidato, cuidava de sua arrecadação, sem botar a mão no bolso dos eleitores. E nunca faltou dinheiro para uma eleição.

Aí inventaram o tal do financiamento público de campanha, pelo qual um eleitor tem obrigatoriamente de contribuir para a eleição de candidatos de que não gosta, de partidos que despreza.

E é um monte de dinheiro: no nosso apertado Orçamento, a verba eleitoral atinge R$ 3,7 bilhões. Falta dinheiro para vacinas, falta dinheiro para saneamento, mas não falta dinheiro para dar boa vida a candidatos que, definitivamente, não chegam a nos fascinar.

Fora sustentar os pançudos, há outro problema: abrir partidos virou bom negócio, porque participam da divisão da megaverba. Políticos podem olhar-nos com desprezo. Somos os babacas que pagam quem vai nos desapontar.