BID faz parcerias com gigantes para popularizar telefonia móvel

SÃO PAULO – O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) anunciou um programa de popularização da telefonia móvel para América Latina (AL) e Caribe.
A iniciativa contará com o apoio de empresas do setor de telecomunicações, como Telefônica (que detém a Vivo com a Portugal Telecom), além de Microsoft, Qualcomm e Open Mobile Consortium.
O BID afirmou que ainda espera o ingresso de outras empresas e oferecerá doações num total de US$ 750 mil a organizações interessadas em encampar o projeto.
No Brasil, segundo a Telefônica, o programa deve entrar através da Vivo, que disse ainda não ter sido notificada da participação.
Segundo o BID, cerca de 80% da população da AL [460 milhões de pessoas] têm telefone celular, mas mais da metade delas têm renda média de US$ 300 mensais.
“Uma das maiores barreiras dos mais pobres é a falta de acesso a informação relevante.
O uso do celular e sua capacidade de transmissão de dados podem contribuir para reduzir esta barreira”, vê Rafael Anta, especialista em Tecnologias da Informação do BID.
No setor, a fabricante de equipamentos de telecomunicações Nokia Siemens anunciou a terceirização dos serviços de tecnologia da informação para Accenture, Tieto e Wipro, em um acordo de três anos de duração.
Ministério
Com necessidade de investimentos de R$ 10 bilhões, ontem o ministro das Comunicações, Hélio Costa defendeu, em Brasília, que o plano nacional de banda larga a ser lançado no final do mês que vem, tenha força na parceria público-privada (PPP), para levar o projeto adiante.
À agência de notícias Reuters, o ministro disse que o governo não tem uma empresa capaz de tocar um empreendimento dessa magnitude, quando questionado sobre a reativação da Telebrás para liderar a universalização da internet rápida no País.
Costa afirmou que o plano deve incluir incentivos fiscais, crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) e uso de infraestrutura de transmissão de dados do governo que está subaproveitada, entre outras coisas.

Fonte: DCI – 21/10/09


Itália prepara plano de universalização da banda larga

O governo da Itália preparou um plano para garantir a todos no país acesso em banda larga à internet a partir do ano que vem, o que exigiria um investimento de cerca de 800 milhões de euros, afirmou o ministro italiano de Administração Pública, Renato Brunetta, no domingo.
O investimento para garantir que todos os usuários possam acessar à internet com uma velocidade de transmissão de dados de 2 Mbytes por segundo virá de fontes públicas e privadas, incluindo operadoras de telecomunicações, disse Brunetta a uma rádio local.
“Eu espero ter 2 Mbytes de banda larga para todos a partir de 2010”, afirmou ele, citando a necessidade de uma rede de internet eficiente para acabar com a burocracia.
“O plano está pronto… É um problema de investimentos, mas agora apenas um impulso final é necessário.”
Brunetta disse que espera conseguir autorização de autoridades relevantes até novembro para levar o plano adiante.
O órgão regulador da Itália de telecomunicações propôs em julho a criação de uma parceria público-privada para a implementação de uma rede de banda larga de alta velocidade, com financiamentos de companhias e do Estado.
Quaisquer planos para uma rede nacional devem custar bilhões de euros.
Um projeto de banda larga teria implicações maiores para operadoras de telecomunicações, como a Telecom Italia.

Fonte: da Reuters, em Roma – 21/10/09


Fortaleza abre série de debates sobre infraestrutura para a Copa

A partir desta quarta-feira (21/10) os projetos estruturantes para a Copa 2014 previstos pela prefeitura de Fortaleza e pelo governo do Ceará entrarão em debate semanalmente.
A programação é dividida em quatro temas: mobilidade urbana; turismo; meio ambiente, saúde e reforma de estádios; segurança, capacitação e empreendedorismo.
O primeiro encontro será no auditório Blanchard Girão, localizado na Secretaria do Esporte estadual, das 9 às 11 horas, no estádio Castelão.
Com o tema “Mobilidade Urbana”, serão discutidas obras como a do metrô de Fortaleza, a ponte sobre o rio Cocó (ligando as praias do Futuro e Sabiaguaba) e o Sistema Municipal de Transporte da Capital (Transfor).
O segundo encontro, programado para o próximo dia 28, ocorrerá no auditório da Federação das Indústrias do Ceará (FIEC) e tratará de propostas para o desenvolvimento do turismo, abordando temas como a expansão do Aeroporto Pinto Martins e os projetos do Acquário do Ceará e do Centro Multifuncional de Feiras e Eventos, entre outros.
Já o debate do dia 4 será sobre reformas de estádios, meio ambiente e saúde, com foco em propostas de ampliação e recuperação dos estádios Castelão e Presidente Vargas, despoluição visual de Fortaleza, balneabilidade de rios e lagos e construção de hospitais, entre outros.
O último debate está previsto para ocorrer no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), trazendo para o centro das discussões as iniciativas do poder público voltadas para a segurança, capacitação e o empreendedorismo.
Oportunidades de negócios e geração de emprego em decorrência da Copa estarão entre os temas discutidos.
O ciclo de debates será realizado sempre às quartas-feiras, até o dia 11 de novembro, sempre de 9h às 11h. Não é necessário fazer inscrição e qualquer interessado pode participar.
O evento é uma realização da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Grupo O Povo de Comunicação, em parceria com a Secretaria do Esporte do Estado.
Programação
Tema 1 – Mobilidade UrbanaDia: 21/10/2009Hora: 9 às 11hLocal: Auditório da Secretaria dos Esportes (anexo ao Castelão)Endereço: Av. Alberto Craveiro nº 2901
Tema 2 – TurismoDia: 28/10/2009Hora: 9 às 11hLocal: Auditório da Federação das Indústrias do Ceará – FIECEndereço: Av. Barão de Studart, 1980 – Aldeota
Tema 3 – Meio Ambiente/ Saúde/ Reformas de EstádiosDia 4/11/2009Hora: 9 às 11hLocal: Auditório Castelo Branco – UFCEndereço: Av da Universidade 2853 – Benfica
Tema 4 – Segurança, Capacitação e EmpreendedorismoDia: 11/11/2009Hora: 9 às 11hLocal: Auditório da CDL FortalezaEndereço: Rua 25 de Março, 882 – Centro
Mais informaçõesLisiane LinharesAssessoria de Comunicação da Secretaria do Esporte do Estado do Ceará(85) 3101.4415 / (85) 8732.1976www.esporte.ce.gov.br

Fonte: Portal da Copa 2014 – 21/10/09


Porto Digital apresenta modelo da nova incubadora

O casarão de número 181 da Rua do Apolo, que abriga o Porto Digital, está prestes a abrir espaço para mais uma incubadora em, digamos, suas estranhas.
O consultor Marcos Suassuna responsável pela elaboração deste projeto que busca propostas para solucionar problemas reais enfrentados pelos Arranjos Produtivos Locais (APL’s) apresentará a novidade a empresários e instituições parceiras.
A reunião está marcada para às 17h desta quarta-feira (21), no auditório do Porto Digital. Serão repassadas informações acerca do funcionamento da incubadora, do formato do empreendimento e dos prazos de inscrições no edital, que deve selecionar 30 projetos de incubação em duas chamadas públicas.
Os incubados terão acesso à infra-estrutura adequada, capacitações técnicas e gerenciais, entre outros benefícios.
A iniciativa conta com o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Sebrae Pernambuco, e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Sectma).
Os interessados em participar devem confirmar presença através do e-mail isabella@portodigital.org.

Fonte: Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR – 21/10/09


Empresários de Abu Dhabi buscam negócios no Brasil

Dirigentes das maiores companhias de energia e de fundos de investimentos estiveram em Manaus, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo para conhecer o potencial dos setores de cada estado.
São Paulo – Uma delegação de investidores de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes, esteve nos últimos dez dias visitando alguns estados brasileiros em busca de oportunidades de investimentos.
Ontem (20), em visita à sede da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, os empresários disseram ter interesse em aprofundar o relacionamento com o Brasil e os demais países da América Latina.
“No Brasil, temos interesse em diversos setores, como energia, inclusive renovável, infraestrutura de portos e aeroportos”, afirmou o chefe da delegação, Abdulla H. Khunji, da empresa Abu Dhabi National Energy Company (Taqa), do setor de energia.
De acordo com ele, os Emirados Árabes cresceu muito nos últimos anos e busca parceiros para continuar se desenvolvendo.
A delegação fez parte da missão do país árabe à América Latina, chefiada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Abdallah bin Zayed Nahyan. Antes de chegar ao Brasil, eles passaram por diversos países, como Argentina, Chile, Equador, Colômbia e Uruguai.
“Queremos estreitar as relações com esses países e também convidá-los para conhecer os Emirados e investir na nossa região”, disse Khunji, que antes de São Paulo esteve com a delegação em Manaus, Rio de Janeiro e Brasília.
Os empresários, que foram recebidos na Câmara Árabe pelo presidente da entidade, Salim Taufic Schahin; o secretário-geral, Michel Alaby, e o diretor, Mustapha Abdouni, assistiram um vídeo sobre o trabalho da Câmara Árabe e fizeram algumas perguntas, como quais são os aspectos jurídicos para abrir uma empresa no Brasil.
Também pediram informações sobre oportunidades de negócios nas áreas de infraestrutura e projetos de turismo.
Delegação foi recebida na Câmara Árabe
De acordo com Alaby, os investidores puderam verificar que há no Brasil potencial de investimento em vários setores.
A maioria já tem investimentos nos Estados Unidos, Caribe e Europa.
Segundo o chefe da delegação, essa foi a primeira vez que os Emirados faz uma missão de peso à América Latina.
“Esse foi só o começo. Espero que haja mais cooperação entre as duas regiões”, afirmou.As empresas que fizeram parte da delegação foram Abu Dhabi Investment Authority, um dos maiores fundos soberanos do mundo; Mubadala, empresa de investimentos do governo de Abu Dhabi; o fundo de desenvolvimento Abu Dhabi Fund for Development e a Abu Dhabi Future Energy Company (Masdar), responsável pelo projeto da Masdar City, primeira cidade “verde” do Oriente Médio.
Na delegação também estava um diretor do departamento de Organizações Internacionais Financeira do Ministério das Finanças dos Emirados.

Fonte: ANBA – 21/10/09


Igreja Católica fará campanha para incentivar teste de aids

A Igreja Católica vai se unir ao Ministério da Saúde para fazer uma campanha pelo diagnóstico precoce da aids.
Padres e voluntários farão, em suas paróquias, o alerta sobre a doença e incentivarão os fiéis a fazer o teste que detecta o HIV.
A campanha deve focar na necessidade do diagnóstico.
Tradicional adversária das campanhas de prevenção do ministério, focadas no uso do preservativo que a igreja condena por ser um contraceptivo, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apoiou a iniciativa.
A campanha começa com um projeto piloto em Porto Alegre, João Pessoa, Fortaleza, Curitiba e Manaus.
“Trata-se de uma experiência piloto, que será avaliada e depois será proposta para a Igreja no País todo”, explicou o assessor da Pastoral da Aids, frei Luís Carlos Lunardi.
Apesar de a pastoral tratar da prevenção e afirmar, em seu site, que o sexo inseguro é uma das formas de contágio, não toca no tema “preservativo”.
No entanto, a intenção da pastoral, afirma Lunardi, é tratar da prevenção para aqueles que foram testados e não estão contaminados.
“A Igreja informa a população sobre a epidemia e incentiva as pessoas a procurarem os serviços de saúde para a testagem.
As pessoas que não estiverem infectadas serão orientadas a continuar com o cuidado.
Quem tiver o exame positivo será encaminhado para o acompanhamento”, explica.
A campanha será lançada amanhã, em Brasília, com a presença do presidente da CNBB, dom Geraldo Lyrio, e o secretário-geral da entidade, dom Dimas Barbosa Lara.
O Estado procurou o ministério para falar sobre a campanha, mas foi informado de que a diretora do programa de DST e Aids, Mariângela Simão, que falaria sobre o tema, está fora do País e não teria como responder às questões.

Fonte: do jornal O Estado de S. Paulo – 21/10/09


DNIT defende simplificação de licenças ambientais

O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Antonio Pagot, voltou a defender hoje procedimentos mais simplificados para o licenciamento ambiental de obras de infraestrutura.
Segundo ele, somente no próximo ano o DNIT deverá gastar cerca de R$ 1,2 bilhão para atender às necessidades socioambientais dos projetos de logística tocados pelo departamento.
A afirmação de Pagot foi feita em café da manhã promovido pela Frente Parlamentar Logística, na Câmara dos Deputados.
Pagot defendeu também a ampliação da malha ferroviária para transportes de cargas no País.
“A necessidade do Brasil é de 58 mil quilômetros, e só usamos 32 mil”, disse.
Ele voltou a criticar o uso de emendas parlamentares para financiar obras de infraestrutura.
O diretor-geral do DNIT sustenta que, quando uma obra é iniciada com base em financiamento parcial proposto por emenda parlamentar, ela corre o risco de não ter continuidade se o parlamentar não conseguir renovar a emenda no ano fiscal seguinte.

Fonte: Agência Estado – 21/10/09


Comunidades e autoridades discutem o Projeto Capibaribe Melhor

Uma audiência pública no plenário da Câmara Municipal do Recife está sendo realizada esta manhã para discutir as intervenções do projeto Capibaribe Melhor nas comunidades do Recife.
O evento, aberto ao público em geral, conta com a presença do autor do projeto, César Barros, que representa a URB-Recife, além de representantes da CPRH, Secretaria de Planejamento do Recife e das comunidades que serão contempladas com o projeto.
A intervenção deve atingir as comunidades localizadas no trecho da bacia do rio Capibaribe, desde as imediações da BR-101 até a Avenida Agamenon Magalhães.

Fonte: Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR – 21/10/09


CNI lança cartilha sobre tributação do setor de energia

A Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e Consumidores Livres (Abrace) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) promovem hoje (21), das 9h às 17h, o seminário Energia: Fator de Competitividade para o Brasil.
No evento, será lançada cartilha sobre a tributação do setor.
Segundo a CNI, os tributos respondem atualmente por 51,6% dos custos médios da energia.
Para a entidade, a elevada tributação é o principal fator que torna a energia usada no Brasil uma das mais caras do mundo.
De acordo com o documento, a carga tributária sobre as tarifas de energia elétrica vem aumentando no país.
Há seis anos, representava 40,1% dos custos médios.
O seminário será realizado em Brasília, no auditório da sede da CNI.

Fonte: Da Agência Brasil – 21/10/09


Presidente do BC inglês quer cisão de grandes bancos

O presidente do Banco da Inglaterra (o BC do Reino Unido), Mervyn King, defendeu ontem a cisão das grandes instituições financeiras, ao dizer que uma nova regulamentação não será suficiente para evitar a quebra dos grandes bancos.
King já havia expressado preocupações com os riscos oferecidos pelos grandes bancos, mas as considerações de ontem foram consideradas particularmente agressivas.
Elas ganharam importância também porque o Partido Conservador, que pode assumir o governo após as próximas eleições, tem defendido a concessão do poder de supervisão dos bancos para o Banco da Inglaterra.
Os ministros das finanças europeus partilham das preocupações de King sobre o risco sistêmico e ontem chegaram a um acordo de princípios para estabelecer um órgão supervisor financeiro abrangendo os 27 países do bloco.
Pela proposta, o Banco Central Europeu (BCE) será responsável pelas questões relacionadas ao risco sistêmico.
Mas o Reino Unido disse não estar pronto para assinar formalmente o acordo, em consequência de preocupações relacionadas à “soberania fiscal” associadas aos seus três órgãos supervisores de bancos, mercados financeiros e seguradoras.
A objeção britânica não deve, entretanto, atrasar um acordo em seu atual estágio.
“A imaginação completamente criativa do setor financeiro, para pensar novas maneiras de assumir risco, irá ao final, acredito, nos forçar a enfrentar a questão ‘muito grande para falir'”, afirmou King em discurso a executivos escoceses ontem.
“A crença de que uma regulação apropriada possa garantir que as atividades especulativas não resultem em falência é uma ilusão”, afirmou King.
Como presidente do Banco da Inglaterra, King não regula o sistema bancário, o que cabe à Autoridade de Serviços Financeiros (FSA, na sigla em inglês).
As informações são da Dow Jones.

Fonte: Agência Estado – 21/10/09


Aeroporto britânico é vendido por US$ 2,5 bilhões

Venda de Gatwick ainda depende de aprovação da União Europeia.Autoridades querem venda para melhorar concorrência do setor.
A operadora de aeroportos BAA acertou nesta quarta-feira (21) a venda do aeroporto de Gatwick, o segundo mais movimentado do Reino Unido depois de Heathrow, por 1,5 bilhão de libras (US$ 2,5 bilhões).
Ele passará para o fundo de investimentos Global Infrastructure Partners (GIP), que já possui o London City Airport.
A venda de Gatwick ainda depende de aprovação da União Europeia.
A expectativa é de que a transação esteja concluída em dezembro.
A BAA, que está nas mãos da espanhola Ferrovial, informou que usará os recursos advindos com a operação para amortizar parte da dívida existente.
No ano passado, a BAA manifestou a intenção de levantar mais de 1 bilhão de libras ao se desfazer de Gatwick, mas o processo de venda foi suspenso no fim daquele exercício por causa dos problemas no ambiente de crédito e do impacto da desaceleração da economia nas viagens aéreas.
Vale notar que foi determinado que a BBA vendesse Gatwick, Stansted e um dos aeroportos escoceses Edinburgh ou Glasgow depois que as autoridades reguladoras britânicas concluíram que era necessário a quebra do monopólio da empresa para melhorar a concorrência.

Fonte: Do Valor Online – 21/10/09


Construtoras portuguesas associam-se a movimento internacional contra a corrupção

A Associação Nacional de Empreiteiros de Obras Públicas (ANEOP) assina quinta-feira uma carta internacional anti-corrupção, um documento que pretende alertar para a importância de combater este problema, disse à Lusa o vice-presidente da organização portuguesa.
A Carta Anti-corrupção Global Compacte é “uma iniciativa muito positiva, na medida em que tem como objectivo o combate a um flagelo reconhecido internacionalmente”, disse Manuel Agria.
Segundo a associação, a corrupção “traduz-se em custos acrescidos, competitividade distorcida, degradação da qualidade e quebra generalizada da confiança dos mercados”.
Para o antigo ministro socialista João Cravinho, que em 2006 apresentou um pacote de medidas de combate à corrupção, a assinatura desta carta representa “um passo em frente”.
“É, sem dúvida, uma iniciativa interessante que representa duas coisas: o reconhecimento público da existência de um problema que deve ser objecto de acção e a existência de pelo menos um núcleo de empresas que, por convicção ou por constrangimento do ambiente, assina a carta”, disse recentemente à Lusa João Cravinho.
O antigo ministro socialista alertou ainda para a importância de saber “como se controla, como se fiscaliza e quais serão as consequências” para os infractores.
Recorde-se que, em Novembro de 2007, o presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), Francisco van Zeller, apontou a construção como um dos sectores onde era mais frequente a prática do crime de fraude fiscal.
Na sequência destas declarações, o sector da construção abandonou a CIP e prepara-se agora para formar uma confederação que representará também o imobiliário.
A carta internacional anti-corrupção surgiu da iniciativa de um conjunto de 24 empresas, como a IKEA, a General Electric Company e a Novartis, que, em Maio, enviou um documento ao secretário-geral das Nações Unidas, solicitando medidas contra a corrupção.
A formalização da adesão da associação portuguesa a esta iniciativa está agendada para quinta-feira, às 17:00, no Museu do Oriente, em Lisboa.
A ANEOP representa actualmente 39 empresas de construção e obras públicas.

Fonte: OJE/Lusa – 21/10/09


Preservação de parques naturais em São Tomé exige “mudança de comportamento”

África
A preservação dos parques naturais de São Tomé e Príncipe exige uma “mudança de comportamento” dos são-tomenses, nomeadamente agricultores, além de formação para a conservação do meio ambiente, disse ontem o director-geral do Ambiente.
A degradação ambiental no arquipélago “tem muito a ver com a mentalidade do homem são-tomense”, o que levou as autoridades a criar zonas delimitadas para actividades científicas e estudos, nomeadamente no Parque Natural Obô, disse à agência Lusa o director-geral Arlindo Carvalho.
“O país tem tirado múltiplos benefícios com as investigações científicas, sobretudo dos norte-americanos, destas zonas bastantes ricas em plantas endémicas”, referiu.
À volta das “zonas tampão” os pequenos agricultores podem trabalhar normalmente.
Para Arlindo Carvalho, a potencialização do Parque Natural, no âmbito de um programa apoiado pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e União Europeia, representará a curto prazo uma mais-valia e fonte de recursos, através do ecoturismo.
“OS turistas estrangeiros vêem directamente fazer turismo no Parque Natural Obô, mesmo sem uma campanha publicitária no exterior.
Há espécies únicas que apenas existem no nosso Parque”, sublinhou.
No âmbito do programa, financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED), técnicos são-tomenses estão a participar numa formação local de uma semana sobre a biodiversidade e consolidação dos parques naturais são-tomenses.
É a mais recente “actividade em que queremos apostar na formação das pessoas e automaticamente na mudança de comportamento”, referiu Arlindo Carvalho.
Paralelamente, no quadro de um projecto que envolve CPLP e governo brasileiro, vão ser construídos em São Tomé e na Região Autónoma do Príncipe duas “salas verdes” que são bibliotecas sobre políticas ambientais sustentáveis.

Fonte:OJE/Lusa – 21/10/09


Brasil é ‘vítima do próprio sucesso econômico’, diz ‘Financial Times’

Com aumento do IOF, país tenta controlar fluxo de capital estrangeiro, diz jornal; tema é destaque na imprensa estrangeira.
Em reportagem publicada nesta quarta-feira, o diário britânico “Financial Times” afirma que o Brasil é “vítima do seu próprio sucesso econômico” razão pela qual anunciou a taxação de 2% sobre o capital estrangeiro.
Em quatro artigos dedicados ao tema em quatro seções diferentes, o jornal aposta ainda, como outros, que a iniciativa deve ser pouco eficiente no objetivo de conter a apreciação do real frente ao dólar.
“O principal objetivo do governo é combater a volatilidade”, diz o “FT”.
O artigo mais noticioso, que ganha espaço na primeira página, afirma que, “se o governo está tentando conter o avanço estável do real em relação a outras moedas com a taxa de 2%, muitos estão céticos quanto à hipótese de dar certo”.
É que, diante das boas perspectivas para o país, a atração de capital externo tem crescido a passos largos.
“O Brasil se tornou vítima de sua própria resistência à crise”, diz o correspondente do jornal em São Paulo.
No momento em que grande parte do mundo ainda sofre com os efeitos crônicos da recessão, o país “deu os ombros” para a crise e está “voltando rapidamente para um forte crescimento”, afirma o diário.
Como explicou um analista, citado em uma segunda matéria, com a taxa o governo brasileiro “está lutando contra todo o mercado”.
“Todo mundo quer estar no Brasil neste momento”, disse, ao jornal.
Em dois outros artigos, mais analíticos, o “FT” avalia outras razões para a apreciação do real.
O jornal diz que, se tiver sido unicamente por causa da riqueza gerada rapidamente pela alta das commodities, há razões para impor a taxa e tentar evitar a especulação financeira.
“Por outro lado, se a força do real se dever à permanente mudança nos termos de comércio do Brasil, há pouco que o governo possa fazer.
Uma taxa de câmbio sobrevalorizada pode reduzir a competitividade, mas a resposta a isso é mais produtividade.”
“Pelo menos o real forte faz os brasileiros se sentirem mais ricos, um bônus político antes das eleições do ano que vem”, diz o “FT”.
Além disso, diz o jornal, a taxa que torna menos atrativo o capital de curto prazo também torna menor a saída de recursos à medida que a recuperação econômica melhorar a atratividade de outras partes do mundo.
Para o jornal, “esta ação preventiva é um sinal promissor do amadurecimento financeiro do Brasil”.
Outros jornais
Em outros jornais estrangeiros, a taxação de capital estrangeiro também ganhou destaque.
Para o americano “Wall Street Journal”, a medida “sublinha a enorme demanda dos investidores por ativos brasileiros, no despertar da crise financeira global.
O forte sistema bancário e a classe consumidora ajudaram a anular o efeito da desaceleração econômica, tornando a nação sul-americana um dos poucos lugares bem-sucedidos no mundo”. Nas palavras do “Cinco Días”, o maior diário financeiro da Espanha, “o escolhido para os Jogos Olímpicos de 2016 está em moda, mas se recusa a se converter na próxima bolha especulativa”. Para o jornal, a “disparada” do Brasil é indiscutível, mas “a entrada de divisas também tem seu lado negativo, algo que, nos últimos anos, a Islândia pôde comprovar”.
O também espanhol “El País” observa que “a primeira grande crise da globalização deixa, até o momento, dois grandes ganhadores: os emergentes asiáticos e o Brasil”.
“Em ambos os casos o sucesso tem seus perigos”, diz o jornal.
“A bolsa brasileira subiu mais de 70% e o real se valorizou mais de 30% no ano: dois sinais de fortaleza, mas também de um perigoso reaquecimento.
” Nas palavras do argentino “Clarín”, a iniciativa do governo tem por objetivo “evitar que os investidores estrangeiros convertam o Brasil no que se define, em português, como a bola da vez, ou seja, o país do momento para os grandes ganhos oportunistas”.

Fonte: BBC Brasil – 21/10/09


Fiocruz recebe estudantes para popularizar a ciência

Nesta quarta-feira, a Fiocruz Pernambuco abre suas portas para receber alunos de cinco escolas das redes pública e privada.
A ação faz parte das comemorações da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), que segue até o dia 25 deste mês.
Em estandes montados no estacionamento da Fiocruz PE, crianças e adolescentes terão a oportunidade de aprender sobre alguns temas de saúde, formas de enfrentamento e métodos de controle estudados na instituição.
Na exposição “Filariose” eles conhecerão os vermes causadores da doença nas formas microscópica e adulta, e obterão informações sobre essa patologia existente, no Brasil, apenas nas cidades de Recife, Olinda, Paulista e Jaboatão dos Guararapes.
No espaço “Leishmaniose: Conhecer para combater” será exposto o parasita causador das duas diferentes formas desse agravo, a tegumentar e a visceral.
Também será possível visualizar o inseto transmissor, o Lutzomya, e uma maquete retratando os ambientes incorporados no ciclo da doença.
No estande da “Esquistossomose”, os visitantes verão os caramujos Biomphalaria, que são hospedeiros intermediários do parasita Schistosoma mansoni.
Técnicos e pesquisadores estudiosos dessa patologia prepararam para o público a apresentação da peça de bonecos “Benedito e Jurema passeando no mundo dos vermes”, às 10h e às 15h.
A estória aborda as parasitoses intestinais.
Já em “Os voadores”, os visitantes poderão ver os mosquitos transmissores da dengue (Aedes aegypti) e da filariose (Culex quinquefasciatus) nas fases larva, pupa e adulta, além de ver os ovos dos mosquitos em microscópio.
Quem passar por essa exposição poderá testar seus conhecimentos sobre dengue num jogo eletrônico que estará disponível.
No estande “100 anos da descoberta da doença de Chagas, os principais personagens dessa história estão aqui”, os participantes conhecerão o vetor de chagas, o barbeiro, e observarão, em microscópio, o parasita causador da patologia.
O jogo “Sexo e amor: mitos, verdades e fantasias”, produzido pelo Museu da Vida/Fiocruz, estará disponível na exposição “DSTs/AIDS”.
Na Fiocruz PE, os estudantes saberão, ainda, como funciona um Laboratório de Nível de Biossegurança 3 (NB3), unidade de alta segurança onde são manipulados microorganismos perigosos para a saúde humana e dos quais é essencial proteger a população.
No NB3 da instituição são feitas atividades científicas nas áreas de peste, hantaviroses e tuberculose.
Para tornar esse conhecimento mais palpável, foi montada uma maquete reproduzindo os ambientes do laboratório.

Fonte: Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR – 21/10/09


Duas indústrias vão gerar 550 vagas de emprego

Empresas alimentícias terão investimentos de R$ 115 mi
AUGUSTO LEITE
Duas indústrias paranaenses do setor alimentício estão para iniciar obras de implementação em Pernambuco nos próximos meses.
Juntas, elas representam uma inserção superior a R$ 115 milhões e devem gerar 550 vagas de trabalho.
A Moinhos Arapongas visita várias cidades do Estado durante esta semana, na procura de um local para se instalar.
Já a Adram Indústria e Comércio teve a concessão de seus benefícios fiscais aprovada ontem, em reunião do Conselho Estadual de Política Industrial, Comercial e de Serviços (Condic).
No encontro, foram autorizados incentivos a 24 empresas, sendo 16 indústrias que somam investimentos de R$ 301,3 milhões e criam 3,1 mil empregos.
Executivos da Arapongas assistiram à votação do Condic e ficarão três dias no Estado percorrendo alguns municípios e o entorno do Porto de Suape.
Uma equipe pernambucana chegou a ir à Arapongas, no Paraná, para conhecer a fábrica, que produz principalmente macarrão instantâneo e biscoitos.
“Os empresários querem tomar uma decisão até a próxima reunião do Condic, em dezembro. Então, eles devem se posicionar até meados do próximo mês”, anunciou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho.
Segundo ele, a unidade poderá investir até R$ 50 milhões e gerar 200 vagas de trabalho.
A Adram, por sua vez, trabalha com alimentos derivados de milho, além da fabricação de chocolates e vitaminas.
Ela injetará quase R$ 66 milhões, criando 350 empregos. Instalada em Ipojuca, a indústria quer aproveitar a mão-de-obra local.
As obras de instalação devem ter início até o final deste ano.
INCENTIVOS
O investimento da Neotêxtil, que se instalará em Paulista, será superior aos R$ 100 milhões anunciados anteriormente.
Na pauta do encontro do Condic consta que a fábrica injetará R$ 172,1 milhões e criará 1.794 vagas de emprego.
Ainda no encontro, foram aprovados benefícios fiscais para quatro centros de distribuição (CDs), que investirão R$ 82,2 milhões.

Fonte: Folha de Pernambuco – 21/10/09


Interior pede conexão à internet de qualidade

Jacques Waller
Falta conexão à internet para a conclusão de negócios de TI no interior do Estado. O relatório da segunda fase do projeto Porto Desembarca, do Porto Digital, apresentado na última quinta-feira, apontou que os empresários dos arranjos produtivos locais (APLs) querem que as empresas de tecnologia forneçam soluções em forma de serviços, não produtos.
O modelo, segundo o coordenador do projeto, Guilherme Calheiros, esbarra na ausência de infraestrutura de rede dos centros distantes da capital.
“Há oportunidades de negócios no interior. Umas maiores e outras menores. Mas os empresários foram bem claros ao dizer que não querem um sistema de gestão instalado em suas máquinas, por exemplo, mas um site onde as empresas associadas possam usufruir de um ambiente de gestão. Mas para isso, é preciso banda larga, e barata”, diz Calheiros.
O coordenador revela que alguns dos empresários que compareceram aos eventos do Porto Desembarca chegam a pagar cerca de R$ 2 mil por conexões de apenas 256 Kbps.
“As empresas de internet estão perdendo negócios no interior. Existe uma demanda enorme por conexão”, afirma. Ao todo, 42 empresas de Garanhuns, Araripina, Petrolina e Toritama participaram dessa fase do Porto Desembarca.
Calheiros informa que pelo menos seis desenvolvedores de soluções do Porto já estão fechando negócios com empresas dos arranjos produtivos desses municípios. Até o dia 15 de dezembro, o projeto chegará às cidades de Salgueiro, Floresta, Triunfo e Ibimirim.

Fonte: Do Jornal do Commercio – 21/10/09


Lula lança amanhã PAC das Cidades Históricas em Ouro Preto (MG)

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva lança amanhã o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) das Cidades Históricas em Ouro Preto (MG).
O projeto prevê investimentos em 173 cidades históricas até 2012.
Pelo projeto, serão investidos R$ 140 milhões em 32 municípios tombados em obras de requalificação e infraestrutura urbanas, financiamento para recuperação de imóveis privados e restauração de monumentos em 2009.
Agenda
Em Belo Horizonte, Lula lança o Projeto BH Digital no Parque Municipal, no centro da cidade.
O projeto, inspirado no programa de inclusão digital do governo federal, cria espaços públicos e gratuitos para acesso da população à informática e à internet.

Fonte: da Folha Online – 20/10/09


Presidentes do São Paulo FC, Atlético-PR e Internacional discutem financiamento das arenas

A Comissão de Fiscalização da Copa 2014 realizará amanhã (21/10) audiência pública na Câmara dos Deputados para discutir os investimentos nos estádios privados do Mundial.
Os presidentes Juvenal Juvêncio (São Paulo FC), Gláucio Geara (Atlético-PR) e Vitorio Piffero (Internacional), responsáveis pelos estádios do Morumbi, da Arena da Baixada e da Beira-Rio, participam da reunião.
O Internacional reivindica isenção de impostos federais para baixar os custos da reforma da Beira-Rio.
Já o São Paulo FC busca apoio para o Morumbi, alvo de críticas da Fifa, que não aprovou o projeto de reforma do estádio para a abertura da Copa.
O debate foi proposto pelos deputados Silvio Torres, Paulo Rattes e Rômulo Gouveia. Segundo eles, as exigências da Fifa para os estádios da Copa exigem investimentos elevados, tanto públicos quanto privados, na sua reforma ou construção.
Torres lembrou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) criou uma linha de crédito específica para as obras.
Das 12 cidades-sede da Copa, apenas São Paulo, Curitiba e Porto Alegre terão jogos em estádios particulares.

Fonte: Porta da Copa 2014 – 20/10/09


Velhos do Restelo Acrescentam Valor

“Please feed the bears”, diz o editorial de The Economist de 3-Outubro-2009, reconhecendo que os investidores pessimistas contribuiem para a eficiência da economia ao contestar as subidas mais exuberantes dos mercados que alimentam os “bulls” e ao apontar os riscos e complicações imprevisíveis.
O artigo recorda também que as autoridades apressam-se a resgatar os investidores mais optimistas quando a bolha rebenta, mas ninguém ajuda os pessimistas.
Esta assimetria da actuação dos reguladores promove riscos excessivos e falta de prudência.
Diz o ditado que dos vencidos não reza a história, mas nós continuamos a falar dos “Velhos do Restelo”, os pessimistas que não auguravam nada de bom para as armadas dos descobridores Vasco de Gama, de Alvares Cabral quando as naus portuguesas zarpavam rumo ao desconhecido. O que nos dizem hoje as melhores práticas de “risk management” é que é importante escutar bem os pessimistas, identificar os riscos, a fim de antecipar e precaver o que pode correr mal para tirar melhor proveito do que vier a correr melhor.
A análise e mitigação do risco, baseados nas opiniões divergentes, são essencial à boa gestão. O excesso de conformismo leva-nos a ignorar riscos, a ser apanhados de supresa, o que se paga caro.
Os Velhos do Restelo continuam a ter um contributo a fazer, passados 600 anos.

Fonte: Blog PPP lusofonia – 19/10/09