Programa Travessia: 35 mil alunos de Pernambuco comemoram conquista

Eles receberam o diploma de conclusão do Ensino Médio em um domingo de festa no Centro de Convenções; evento contou com a presença de Caio Blat e Isis Valverde, além de Lenine

No último domingo (8), 35 mil alunos de Pernambuco do Programa Travessia receberam o diploma de conclusão do Ensino Médio em um dia de festa no Centro de Convenções, em Olinda. Para o estudante Gelison Pereira da Silva, uma conquista para guardar além da memória.
“Nós fizemos muitos amigos, aprendemos uns com os outros, e no Natal já estamos marcando para nos encontrar novamente”, conta.12 mil estudantes foram convidados para representar os concluintes do Programa Travessia.
Com o material do Telecurso, eles conseguiram superar o atraso e concluíram o Ensino Médio. Essa história, Rafaela Pereira pretende contar em detalhes para filha.
“Quando ele nascer, crescer, ele vai ver ‘minha mãe se formou comigo na barriga’”, diz a estudante.
A festa de formatura teve a apresentação dos atores da Rede Globo Isis Valverde e Caio Blat.
O programa é uma iniciativa do Governo do Estado em parceria com a Fundação Roberto Marinho.
“Na vida das pessoas, é uma transformação impressionante, cada testemunho é uma emoção”, afirmou o governador de Pernambuco Eduardo Campos.
“O conhecimento é capaz de mudar a vida das pessoas, por isso a educação básica deve ser um direito para todos no país”, afirmou a gerente de educação da Fundação Roberto Marinho, Vilma Guimarães.
Para encerrar a comemoração, teve show de Lenine.
Agora são mais 35 mil pernambucanos com o Ensino Médio completo – jovens e adultos com mais chances de conquistar uma vida melhor.
“Esse quadro vai ficar pregado na parede de casa, para mostrar a conquista de hoje, com muita dificuldade, mas ela foi feita”, garante o estudante Adeilson Soares da Silva.

Fonte: Da Redação do pe360graus.com – 09/11/09


Comissão para conservação do atum faz reunião em Porto de Galinhas

Representantes de cerca de 50 países estão reunidos, a partir de hoje (9), em Porto de Galinhas (PE) na reunião da Comissão Internacional para a Conservação do Atum no Atlântico (Iccat, a sigla em inglês).
O ministro da Pesca e Aquicultura, Altemir Gregolin, abre oficialmente o encontro às 9h.
A pesca do atum movimenta cerca de US$ 4 bilhões por ano no Oceano Atlântico.
A indústria brasileira produz anualmente 117 milhões de latas de atum, o que gera 10 mil empregos diretos e indiretos.
Esta é a primeira vez em 40 anos que o Brasil sedia a reunião da Iccat.

Fonte: Da Agência Brasil – 09/11/09


Estudo mostra contribuição das ONGs para garantia de políticas públicas

As ONGs Cendhec, SOS Corpo, Etapas, Diaconia, Fase, Cese, e a agência de cooperação alemã EED – Serviço das Igrejas Evangélicas da Alemanha para o Desenvolvimento, lançam esta manhã o estudo Na Luta por Direitos: A contribuição de ONGs para a garantia e implementação de políticas públicas na Região Metropolitana do Recife (1988 – 2008).
A publicação será apresentada na sede do SOS Corpo pelo representante do EED, Luciano Wolff, responsável pelo do Programa Brasil / Río de la Plata.
O objetivo principal deste Estudo é apresentar os impactos mais relevantes alcançados por estas entidades na emergência de cultura de direito e na definição e implantação de políticas públicas municipais, estaduais e federais, voltadas para a população urbana excluída.
A análise compreende dois períodos: entre 1964 e 1988, quando se verifica a criação da maioria das organizações em estudo e as suas referências iniciais de atuação; e entre 1988 e 2008, corresponde ao aprofundamento da análise, focalizando modalidades de atuação do Estado e da economia e seus efeitos sobre a democracia e os direitos humanos.
A pesquisa também analisa a atuação das organizações a partir das experiências marcantes nas ações e lutas pela conquista e efetivação de direitos, exemplificados pelo: direito à cidade, através do Prezeis; direito de crianças e adolescentes, focalizando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA); direito das mulheres, com referência à Lei Maria da Penha; e direito dos jovens, vistos em suas caminhadas para a cidadania a partir dos fóruns de juventude.

Fonte: Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR – 09/11/09


Prédio mais alto do mundo será inaugurado em janeiro

A inauguração do prédio mais alto do mundo vai ocorrer em 4 de janeiro de 2010, informou na quarta-feira a admistração da cidade-estado de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.
Desta forma, a abertura do Burj Dubai ocorrerá um mês depois do esperado.
O prédio tem até agora 800 m de altura e seu tamanho final ainda deve ser confirmado pela incorporadora estatal Emaar Properties.
A nova data de inauguração do prédio coincide com o aniversário de quatro anos da indicação do xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum’s como governador de Dubai.
O Burj Dubai começou a ser construído há cinco anos e se tornou o prédio mais alto do mundo em 2007, quando atingiu 512 m, passando o Taiwan’s Taipei 101, o detentor anterior da marca de maior edifício do mundo.
A torre é a obra central de um condomínio de 500 hectares com fins residenciais e comerciais no centro de Dubai.
O prédio é cercado por dezenas de outros novos arranha-céus e tem em seu complexo o maior shopping center do Oriente Médio.

Atualmente, o Burj Dubai tem 800 m de altura

Fonte: Com informações da AP – 08/11/09


Portugal: BE desafia novo ministro a viajar na EN13

por PAULO JULIÃO

O deputado João Semedo quer mostrar a António Mendonça que a estrada não tem condições para funcionar como alternativa à A28 e evitar a introdução de portagens nesta auto-estrada sem custos
Depois de Mário Lino, o convite para uma “viagem” pela Estrada Nacional 13 acaba de ser feita ao novo ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, António Mendonça.
A ideia, lançada ontem pelo deputado do Bloco de Esquerda João Semedo, visa mostrar que aquela via “não tem condições para funcionar como alternativa à A28”, que liga o Porto a Viana do Castelo.
Em conferência de imprensa, João Semedo lembrou a “inexistência” de alternativas, isto porque, sublinhou, “só quem não conhece a EN13 é que pode julgar que esta é uma alternativa”.
Ao longo da A28 estão já instalados quatro pórticos para cobrança automática de portagem, tendo o anterior ministro prometido o fim do regime SCUT (Sem Custos para o Utilizador) naquela auto-estrada “logo depois das eleições legislativas”, tal como em mais duas das sete vias naquelas condições (A29 e A17).
Certos são os constrangimentos, provados por um estudo realizado em 2008, que atesta ” que são necessárias duas horas para fazer Porto – Viana pela estrada nacional, com 16 rotundas, 69 cruzamentos, dos quais 20 com semáforos, mais de 200 entroncamentos e 150 passadeiras de peões”.
O desafio para uma viagem pela EN13 já tinha sido lançado anteriormente pelo Movimento Alto Minho Contra Novas Portagens, o mesmo que anunciou há dias a extinção, por considerar que já não tem “legitimidade e motivação para continuar” a contestar o fim do regime Scut na A28, entre Viana e Porto.
Acusou, então, os políticos de “palmadinhas nas costas” em campanhas eleitorais, mas de “nada fazerem para travar a intenção de portajar a A28”. A isto soma-se a vitória socialista nas Legislativas, mesmo no distrito de Viana do Castelo, conhecida que é a sua intenção de portajar aquela via.
Entretanto, as Comissões de Utentes Contra as Portagens nas SCUT do Norte Litoral, Grande Porto e Costa de Prata pediram ontem uma reunião urgente ao ministro das Obras Públicas para “clarificar a intenção do Governo” nesta matéria.
O PCP entregou um projecto de lei no Parlamento para revogar a obrigatoriedade de instalação de dispositivos electrónicos de matrícula nos automóveis, considerando que esta medida apenas pretende instituir a cobrança electrónica de portagens.

Fonte: LUSA – 08/11/09


Estrutura em Portugal para gerir Parcerias Público-Privadas na área de Saúde

Atribuições/ Competências

Nos termos da alínea g) do artigo 199.o da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:
Criar, na dependência do Ministro da Saúde e a funcionar junto da ACSS, uma estrutura de missão com a finalidade de executar a estratégia de promoção de formas inovadoras de gestão no âmbito do SNS, tal como vem consagrado na base XXXVI da Lei n.o 48/90, de 24 de Agosto, nomeadamente através da criação de parcerias público-públicas e público-privadas.
À estrutura de missão é conferida a designação «Parcerias. Saúde».
São atribuições da equipa de missão:
– Identificar projectos passíveis de serem realizados sob a forma de parceria, designadamente através de contratos de gestão;
– Conduzir análises de viabilidade e preparar a montagem de projectos em parceria;
– Coordenar ou pronunciar-se sobre o lançamento de formas inovadoras de gestão empresarial global ou parcelar de unidades hospitalares e de outras unidades de prestação de cuidados de saúde, ambulatórios e continuados, como experiências inovadoras de gestão, através de parcerias público-públicas e público-privadas;
– Desenvolver metodologias e técnicas de identificação, lançamento e acompanhamento de parcerias no sector da saúde, incorporando a experiência nacional e internacional, tendo em vista assegurar ganhos de valor na aplicação de recursos orçamentais na óptica do erário público;
– Desenvolver e propor dispositivos apropriados de regulação económica das actividades das sociedades gestoras de unidades hospitalares e outras unidades de saúde, criadas no âmbito de parcerias público-públicas e parcerias público-privadas;
– Exercer as funções de regulação económica das sociedades gestoras, no âmbito de parcerias público-públicas e de parcerias público-privadas a constituir;
– Promover a divulgação do papel das parcerias enquanto instrumento da prossecução da política pública de saúde, bem como a formação de dirigentes e funcionários nesta matéria;
– Elaborar linhas de orientação técnicas, económicas e de gestão no âmbito das parcerias público-públicas e público-privadas;
– Estabelecer relações institucionais adequadas ao acompanhamento da actuação de entidades congéneres no plano comunitário e internacional e acompanhar as políticas públicas de participação do sector privado, sob a forma de par cerias, desenvolvidas pelas instituições internacionais.

Fonte: Ministério da Saúde Portugal


Pré-sal vai produzir 1,8 milhão de barris por dia em 2020, diz Gabrielli

Investimentos chegarão a US$ 111 bilhões, diz presidente da Petrobras.
Empresa levou 53 anos para atingir produção de 1,8 milhão barris diários.

Valeria Gonçalvez/Ag. Estado
José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, em debate sobre o pré-sal em setembro
A Petrobras prevê atingir a marca de 1,8 milhão de barris diários de petróleo extraído da camada pré-sal em 12 anos, disse o presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli, em vídeo publicado neste domingo (8) no blog da estatal. Atualmente, são produzidos apenas 30 mil barris diários do pré-sal.
Segundo Gabrielli, a Petrobras vai investir US$ 11 bilhões até 2020 para atingir a meta prevista de extração do pré-sal. Até 2013, a empresa deve investir US$ 28,9 bilhões e atingir a meta de 220 mil barris diários originários do pré-sal. Hoje, a Petrobras produz cerca de 30 mil barris do pré-sal –15 mil de um poço na área de Tupi, no litoral do Rio, e outros 15 mil do campo de Jubarte, na costa do Espírito Santo.
O que nós fizemos em 53 anos pretendemos fazer em 12 anos. Esse número é muito interessante porque de 2009 a 2020 estamos falando em 12 anos. Lembre-se que a Petrobras levou 53 anos para atingir a marca de 1,8 milhão de barris”
Gabrielli lembra no blog que a indústria do petróleo no Brasil movimenta cerca de 10% do PIB, 7% das exportações brasileiras e 12,5% da arrecadação federal, o que permitiria investimentos em outras áreas da economia não ligados à indústria do óleo.
Preço dos combustíveis
Gabrielli disse que o aumento da produção não significará preços menores dos combustíveis no mercado interno. “Infelizmente não é possível isso, a menos que nós isolemos o país. O Brasil não é uma ilha isolada do mundo. O petróleo não pode ser desconectado do mercado internacional.” afirmou.
Segundo ele, a empresa mantém uma “relação de longo prazo” com o mercado brasileiro. “A verdade é que nós temos uma política de que não repassamos ao mercado brasileiro as variações diárias dos preços internacionais. Nós mantemos uma relação de longo prazo, porque em última instância o que nós não estamos pagando não é o custo de produção do barril do petróleo, porque o petróleo é um produto que se esgota, no tempo ele vai se exaurir. Então, o custo do petróleo na verdade é o custo do novo barril, que você precisa encontrar e produzir para incluir, e esse custo é um custo internacional, infelizmente”, disse.
Biocombustíveis
O presidente da Petrobras disse que a empresa mantém sua meta de aumentar sua produção de biocombustíveis. “Continuamos comprometidos em ampliar a produção, incluindo novas tecnologias, para exportar e aumentar nossa presença na produção de etanol. Estamos planejando a construção de alcodutos para trazer a nova produção de etanol para porto e viabilizar mais exportações”, declarou.
Gabrielli disse que a empresa vai manter seu foco na produção de combustíveis líquidos, apesar de manter alguns investimentos em fontes alternativas de energia. “Estamos fortemente concentrados na produção de etanol e biodiesel. Temos pequenos investimentos em [energia] eólica e solar. Achamos que a ênfase do nosso investimento deve ser nos combustíveis líquidos.”
Acionistas
Sobre a ampliação da oferta de ações da empresa, Gabrielli disse que os pequenos acionistas que não exercerem sua opção de compra para dobrar a participação na composição acionária – que deve ocorrer com a capitalização da Petrobras – terão uma diluição na participação dos dividendos, mas serão beneficiados no longo prazo pela valorização dos papéis da companhia.
“Nenhum acionista será prejudicado. Todo acionista terá o direito de comprar as ações na mesma proporção em que têm hoje. Se não quiser comprar, não exercerá o seu direito e vai reduzir, será um pouco diluído, no ganho dos dividendos. Porém, o valor da Petrobras aumentará, porque o capital aumentará e você [acionista] acabará sendo beneficiado pelo crescimento, no futuro, do valor da Petrobras”, afirmou Gabrielli.

Fonte: Do G1, em Brasília – 08/11/09


Burocracia emperra negócios em SP

O excesso de burocracia tem castigado os investidores que decidem fazer negócios em São Paulo, a principal economia do Brasil. Hoje, é mais fácil tirar um projeto do papel na Bahia, no Maranhão, em Santa Catarina e em Mato Grosso do Sul do que em território paulista, mostra levantamento da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), com base em dados do Banco Mundial.
No ranking geral, o Estado ocupa apenas a 11ª posição no quesito melhor ambiente de negócios, que considera tempo e custo de abertura de empresa e registro de propriedade e garantias, além de procedimentos para recolhimento de impostos, carga tributária e cumprimento de contratos. As três primeiras posições são do Distrito Federal, Amazonas e Minas Gerais (onde é mais rápido abrir uma empresa no Brasil).
“Apesar das várias medidas que começam a ser tomadas, São Paulo ainda é um Estado muito burocrático”, avalia o diretor do Departamento de Competitividade e Tecnologia da Fiesp, José Ricardo Roriz Coelho.
Na opinião dele, por causa da melhor infraestrutura em relação ao resto do País, São Paulo se esforça pouco para atrair investimentos.
“Nos demais locais, a necessidade de capital novo tem incentivado a simplificação dos processos para ganhar competitividade.”
O governo paulista tem consciência do problema. Exemplo disso é que lançou o Programa Estadual de Desburocratização (PED) para reduzir os prazos de abertura de empresas e concessão de licenças.
Até o fim do ano, a expectativa é lançar o Sistema Integrado de Licenciamento (SIL), que unificará os processos.

Fonte: do jornal O Estado de S.Paulo – 08/11/09


Portugal – Norte: protestos contra portagens nas scut

O fim-de-semana marca o reacender da luta contra as portagens nas scut nortenhas, com várias iniciativas de protesto a tentarem sensibilizar o novo ministro das Obras Públicas, António Mendonça.
O presidente da Câmara de Vila do Conde, Mário Almeida, como que deu o tiro de partida para os protestos, quando, na passada quarta-feira, enviou ao novo ministro um ofício em que expos todas as questões relativas ao processo de instalação das portagens na A28, pedindo-lhe o agendamento de uma reunião em Vila do Conde, ou em Lisboa.
“Sempre afirmei, em nome pessoal e do Município que represento, uma rejeição total à hipótese de portagens na A28, que tão gravosa seria para os vilacondenses e para todos os que cá investem ou trabalham”, comentou o autarca.
“Por motivos económicos, sociais e pela inexistência de alternativas”, o deputado do Bloco de Esquerda (BE) João Semedo manifestou-se igualmente contra as portagens e marcou, juntamente com Pedro Soares, igualmente deputado bloquista, uma conferência de imprensa para hoje, dia que as comissões de utentes contra as portagens nas Scut do Norte Litoral, Grande Porto e Costa da Prata também escolheram para fazer uma reunião.
O encontro terá lugar hoje à tarde, na Póvoa de Varzim, com o objectivo de fazer o ponto da situação sobre o processo e definir medidas a tomar, a curto prazo, face à nova realidade governativa.
Recorde-se ainda que, um dos argumentos dos que lutam contra as protagens é de que já estão alterados os parâmetros que as elegeram para serem portajadas, desde que foi tomada essa decisão.
Como o JN noticiou ontem, o deputado socialista Defensor Moura diz mesmo que não estão cumpridos os critérios (indicadores socioeconómicos e alternativas) para que a A28 possa ser portajada.
No caso da A28, a luta promete ser acesa e o Conselho Económico e Social (CES) recentemente criado pela Câmara de Viana do Castelo informou já que terá este assunto como primeira medida e com prioridade imediata.
O CES quer agendar uma reunião com todos os presidentes de câmara das localidades que a A28 atravessa. O CES é composto por cerca de quatro dezenas de personalidades ligadas à vida do concelho.

Fonte: Jornal de Notícias – PT – 07/11/09


Rede americana diz que apagão no Brasil foi causado por hackers

Os dois apagões elétricos que afetaram milhões de brasileiros em 2005 e 2007 foram causados por ataques de hackers contra os sistemas de controle da rede de fornecimento, informou neste domingo a rede de televisão americana CBC.
O programa “60 Minutes” indicou que o apagão de 2007 no Espírito Santo, que prejudicou mais de três milhões de pessoas, e o apagão de 2005 no Rio de Janeiro foram causados por hackers.
O programa revela informações colhidas em uma investigação sobre a ameaça de ataques virtuais nos Estados Unidos.
O ex-chefe da inteligência americana Mike McConnell declarou ao “60 Minutes” que acredita na possibilidade de um ataque semelhante nos Estados Unidos.
Se um grupo de hackers conseguir se inflitrar no sistema elétrico americano, “os Estados Unidos não estarão preparados para enfrentar semelhante ataque”, estimou.
Apenas em 2009, os sites da Casa Branca, do Departamento de Estado e do Pentágono já foram alvo de hackers, em meio a suspeitas de que a Coreia do Norte fosse um dos responsáveis.
A Coreia do Sul e os EUA fecharam em maio um acordo de cooperação para combater ataques virtuais contra seus sistemas de defesa.
Jim Lewis, diretor do Center for Strategic and International Studies, disse ao “60 Minutes” que a segurança virtual dos Estados Unidos tem sido atacada a partir de outros países com frequência nos últimos anos, incluindo o comando das guerras no Afeganistão e no Iraque.

Fonte: Da AFP Paris – 08/11/09


Recife: Santo Amaro obteve 71% de redução nos índices de violência nos últimos 12 meses

A realidade em Santo Amaro, no Centro do Recife, está mudando. Segundo dados divulgados pelo Governo do Estado, o bairro mais violento da capital obteve a redução de 71% nos índices de violência nos últimos 12 meses. A conquista é resultado da ação Governo Presente, que completa um ano neste domingo. As comemorações aconteceram pela manhã, com a presença do governador Eduardo Campos.
De acordo com dados da Gerência de Análises Criminal e Estatística (GACE) da Secretaria de Defesa Social, a redução da violência atingida em Santo Amaro é o dobro da redução atingida nos mesmos períodos de um ano atrás (35%) e três vezes superior à redução registrada há dois anos (22%). A expressiva queda dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) é resultado direto do Pacto pela Vida onde a integração das ações policiais e sociais vem gerando impactos positivos.
Eduardo Campos comemorou os números, citando que a evolução do bairro vem sendo exemplo de boas práticas em segurança pública, citado, inclusive, pelo presidente Lula, em dois discursos. “Fizemos uma reversão de uma curva que só fazia crescer com a violência, através de uma política de segurança que valoriza os direitos humanos. É uma vitória, um trabalho tocado, principalmente, com a juventude e as crianças. Santo Amaro está se transformando num bairro tranqüilo. Resgatamos a autoestima da população aliada a uma ação de repressão”, ressaltou.
Em 2008, sete escolas foram recuperadas e transformadas em regime integral no bairro. Em 2009, outras 16 estão em manutenção. Mais de 11 mil moradores foram atendidos no programa, de novembro de 2008 até hoje. Foram retirados mais de nove mil documentos entre certidões de nascimento, carteiras de identidade e carteiras de trabalho.
Durante as festividades deste domingo, foi lançado o I Campeonato de Futebol Santo Amaro pela Paz. Também foi entregue os certificados aos soldados Sandro Amorim de Souza e Marconi Edson Marques Pedrosa Júnior ambos do 16º BPM, que foram eleitos pelos moradores “policiais amigos da comunidade”, dentro do projeto Polícia Amiga.

Fonte:Da Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR, com informações da repórter Ana Paula Neiva – 08/11/09


Pernambuco: Eduardo assina Lei em benefício de 60 mil pequenos agricultores

Durante a abertura da 68ª Exposição Nordestina de Animais e Produtos Derivados, neste domingo (08/11), no Parque de Exposições do Cordeiro, o Governador Eduardo Campos assinou um Projeto de Lei que vai possibilitar que cerca de 60 mil pequenos produtores voltem a ter acesso ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF).
O PL será encaminhado, nesta segunda-feira (09/11), à Assembleia Legislativa e mostra o compromisso do Governo do Estado com a reestruturação da Agricultura Familiar.
“Vamos criar um fundo de aval do Estado permitindo que os produtores que tiraram financiamento através do Pronaf e estão inadimplentes possam resolver suas pendências junto ao Banco do Brasil e assim reabrir suas contas”, explicou o governador, que foi ao Parque de Exposições do Cordeiro acompanhado pela primeira-dama Renata Campos, dois dos seus quatro filhos e pelo secretário de Agricultura, Ângelo Ferreira.
Este ano, a expectativa de público da feira é de 400 mil visitantes e expositores de todo o nordeste.
A Exposição acontece no momento em que o mundo rural de Pernambuco se expande.
A expectativa é de que sejam movimentados nessa edição mais de R$ 30 milhões, com a venda de animais, comércio de veículos, máquinas e equipamentos agrícolas, leilões e shows, entre outros negócios.
“A interiorização do desenvolvimento sempre foi prioritária na nossa gestão.
Mas Pernambuco não cresce só em Suape ou no setor industrial.
O setor primário vive um belo momento com a reestruturação da assistência técnica e com investimentos na bacia leiteira, na piscicultura, avicultura, na produção de tecnologia voltada para o mundo rural entre outras ações”, afirmou Eduardo.
Ângelo Ferreira fez questão de ressaltar a preocupação do Governo com a agropecuária.
“Este é um dos eventos deste tipo que acontecem no Estado. Quando assumimos, existiam 30. Em 2009 já são mais de 70 feiras, exposições, leilões que movimentam a produção do mundo rural pernambucano”, garantiu o secretário de agricultura.
Eduardo lembrou ainda que está em tramitação na Assembleia Legislativa o Projeto de Lei que desonera os tributos para a avicultura e que até o dia 20 deste mês uma lei semelhante deverá ser encaminhada à Casa no intuito de atender a pauta dos produtores de mel.

Fonte: Portal Pernambuco – 08/11/09


Turismo do Algarve vai abrir gabinete de apoio ao investidor

ERIKA NUNES
A Entidade Regional do Turismo do Algarve (ERTA) prepara-se para abrir, no início do próximo ano, um Gabinete de Apoio ao Investidor que, além de dar resposta às cerca de 500 solicitações anuais de informações, se propõe captar investimento turístico para a região. “Estamos, também, a estudar a possibilidade de dar consultas à distância nas Lojas do Cidadão do país”, revelou, ainda, ao JN, Duarte Padinha.
O chefe da Divisão de Estudos e Projectos da ERTA explicou que, graças à criação de “sinergias com a rede de delegações do Turismo de Portugal no estrangeiro, junto dos mercados emissores, e com a rede natural do AICEP”, será possível chegar a um grande número de potenciais investidores no Algarve.
O gabinete dará assistência personalizada aos particulares e às empresas que queiram investir na região, com o objectivo de dinamizar a economia regional e de cativar a atenção de quem pretende aplicar fundos na construção de novas infra-estruturas turísticas.
Para o efeito, será elaborado um manual de apoio ao investidor, em edição bilingue, que será “enviado às insígnias de hotéis que ainda não estão presentes no Algarve”.
“O gabinete utilizará, na sua maioria, recursos próprios da ERTA, inclusive na elaboração do manual. Será necessário contratar mais um técnico e o investimento não é avultado”, revelou.
A ERTA tem um orçamento de seis milhões de euros em 2010 – o maior de todas as regiões por ser indexado ao número de camas , dos quais mais de três milhões serão destinados ao marketing e ao desenvolvimento de produto.

Fonte: Jornal de Notícias – PT – 08/11/09


Utentes das scut querem reunir com novo ministro

ANA TROCADO MARQUES
Movimento pretende ver clarificada a posição do Governo quanto à introdução de portagens.
O Movimento Conjunto de Contestação às Portagens vai pedir uma reunião urgente ao novo ministro das Obras Públicas no sentido de clarificar a posição do Governo no que toca à introdução de portagens nas scut.
“O programa do Governo diz o seguinte: ‘Quanto às scut deverão permanecer como vias sem portagem, enquanto se mantiverem as duas condições que justificaram a sua implementação: primeiro, localizarem-se em regiões cujos indicadores de desenvolvimento socio-económico sejam inferiores à média nacional; e, segundo, não existirem vias alternativas’.
Ora, é isto que acontece na nossa região e, por isso, a leitura que fazemos é que as portagens não irão avançar”, frisou o porta-voz do Movimento, José Rui Ferreira, ontem, no final de uma reunião do grupo de trabalho composto pelas comissões de utentes das três scut que o anterior Governo pretendia portajar – Norte litoral, Grande Porto e Costa da Prata.
Assim, explicou, o Movimento quer reunir com António Mendonça para, por um lado, ver clarificada a posição do novo Governo sobre a introdução de portagens e, por outro, apresentar ao novo detentor da pasta um dossiê com dados recentes sobre as condições sócio-económicas da região.
“No caso aqui da Póvoa de Varzim, por exemplo, a taxa de desemprego é de 13%.
Em Vila do Conde 14%, e em vários concelhos vizinhos é já da ordem dos 18%”, frisou José Rui Ferreira, apresentando apenas um exemplo de como o critério dos indicadores sócio-económicos não está ainda cumprido.
Quanto à existência de alternativas, acrescenta, elas continuam a apresentar tempos de percurso de “o dobro ou o triplo”.
O porta-voz do Movimento lembra ainda que, apesar de já na altura do anúncio da introdução de portagens não estarem reunidas as condições definidas pelo Governo, a situação é, agora, fruto da crise e volvidos “quatro anos”, “ainda mais grave”.
Na reunião, o Movimento fez ainda um balanço da luta até agora desenvolvida: “A intenção do Governo de introduzir portagens remonta já a Outubro de 2006”.
A contestação, explicou, começou ao nível institucional, liderada pelas autarquias afectadas. Em Fevereiro de 2008, as comissões das três scut uniram-se para criar o Movimento Conjunto de Contestação e envolver os utentes nos protestos.
Durante o ano de 2008, lembrou ainda, o Movimento promoveu, em três semanas, “um abaixo-assinado com mais de 60 mil subscritores, uma marcha lenta em direcção à cidade do Porto que juntou mais de mil viaturas, e um buzinão em vários concelhos”. As acções provaram, “sem sombra de dúvidas”, o descontentamento da região e levaram o Governo a, de adiamento em adiamento, continuar sem introduzir as portagens.
“A verdade é que, apesar dos sucessivos anúncios dos governantes, garantidamente não temos ainda portagens e não vamos ter até ao final do ano”, sublinhou.
Assim, para José Rui Ferreira, é agora o momento de perceberem claramente qual é a intenção do Governo, mas desde já deixa o aviso: “Outras medidas de luta poderão surgir, em função daquela que for a decisão do Governo”.

Fonte: Jornal de Notícias – Portugal – 08/11/09


China avança em energias renováveis

RAUL JUSTE LORES – Shenzhen
Uma desconhecida montadora chinesa conseguiu lançar um carro elétrico dois anos antes que grandes montadoras japonesas e americanas.
A chinesa BYD lançou no ano passado um carro que pode andar 100 km usando apenas energia elétrica e lança no início de 2010 um modelo que prescinde de gasolina.
Atraindo investidores como Warren Buffet, a empresa quintuplicou seu valor na Bolsa de Hong Kong em 2009 e fez de seu fundador, Wang Chuanfu, 43, o homem mais rico da China.
A ascensão da BYD demonstra a atual grande ambição do capitalismo chinês em liderar o negócio das energias renováveis parte do pacote de estímulo de US$ 580 bilhões lançado no ano passado prioriza subsídios a tais iniciativas.
A preocupação ambiental tem motivos práticos, pois 16 das 20 cidades mais poluídas do mundo estão no país, que ainda depende muito do carvão e da importação de petróleo.
As duas maiores produtoras de painéis para energia solar no mundo estão na China, e grandes usinas eólicas para produzir energia a partir do vento estão em construção.
Baterias
Novata automobilística, o primeiro carro da BYD foi lançado em 2005.
Mas a empresa é líder mundial na produção de baterias recarregáveis para celulares, laptops e iPods. É a maior fornecedora de baterias para Motorola, Philips, Nokia, Samsung, GE e Apple, entre outras gigantes.
Seu primeiro carro elétrico, F3DM, pode percorrer 100 km sem depender de gasolina.
Quando sua bateria acaba, o motor que utiliza gasolina pode ser acionado.
O veículo pode ser carregado em tomadas comuns de 220 volts.
Na propaganda da empresa, o proprietário deixa o carro carregando, como se fosse um celular, antes de dormir, e pode circular com ele no dia seguinte.
Estações de carregamento rápido podem carregá-lo em 15 minutos.
A GM anuncia para o final do ano que vem um carro parecido, o Volt, que custará cerca de US$ 40 mil, quase o dobro do preço do modelo chinês.
Obstáculos
Apesar do frisson que o carro elétrico provoca na China, há muitos obstáculos ainda para a sua popularização. A US$ 21,7 mil a unidade, o carro elétrico ainda custa o dobro do valor de um carro convencional do mesmo tamanho.
A empresa faz lobby para o governo patrocinar uma rede de estações industriais nas quais seja possível carregar a bateria.
Para o diretor de vendas da BYD, Henry Li, será necessário mais apoio oficial para a economia de escala.
“Conseguimos dianteira em uma tecnologia que o mundo todo busca, mas são necessários subsídios para crescer no mercado chinês e para estabelecer uma rede”, disse Li à Folha.
Assim como os painéis solares da chinesa Suntech, 90% deles destinados a mercados de países desenvolvidos, a BYD poderia encontrar saída nos mercados dos países desenvolvidos, onde a consciência ambiental está na moda. Mas não faltam obstáculos.
“A BYD terá que enfrentar exigências de segurança e de distribuição de autopeças, construir uma marca forte e vencer o preconceito contra o “made in China” no mundo”, enumera Tian Yongqiu, diretor da consultoria China Automotive Review.
Por enquanto, o que mantém a empresa lucrando são os carros convencionais F3 e F0, além do mercado de baterias. A BYD deve ultrapassar os 400 mil carros vendidos em 2009 -em sua maioria, carros 1.5 e 2.0 convencionais, com valores entre 80 mil e 90 mil yuans (entre R$ 20 mil e R$ 22,5 mil).
No ano, 8.000 veículos foram exportados para Rússia, Ucrânia, Egito, Peru e Chile.
Apenas cem carros elétricos foram vendidos. A BYD negocia com 15 prefeituras chinesas a venda de carros elétricos com subsídios do governo.

Fonte: da Folha de S. Paulo – 08/11/09


Eldorado do potássio atrai Petrobras à Amazônia

SÃO PAULO – Considerada a última grande fronteira da exploração de potássio no mundo, a região do encontro entre os rios Madeira e Amazonas será reativada ainda este mês, com o início das perfurações da Potássio do Brasil, empresa de capital canadense.
A região, que pode conter a terceira maior reserva mundial do minério, é considerada estratégica pelo governo, que caminha para promover um retorno da Petrobrás à mineração, 20 anos após a extinção da Petromisa, subsidiária que atuava no segmento.
A Potássio do Brasil, que pertence ao grupo financeiro Forbes & Manhattan por meio da mineradora Falcon Metais, conclui os preparativos para a perfuração do primeiro poço na região em quase 30 anos.
A ideia é que o poço seja perfurado ainda em novembro, dando início a uma campanha de até 20 poços durante o próximo ano em Autazes e Itapiranga, ao custo de US$ 25 milhões.
Se confirmado o potencial da jazida, o investimento pode chegar a US$ 2,5 bilhões, para extração de 2 milhões de toneladas por ano.
A região já foi explorada pela Petrobras, que identificou a existência de 1,1 bilhão de toneladas na Mina de Fazendinha, no município de Nova Olinda do Norte, mas abandonou o projeto na década de 70.
A mina chegou a ser transferida para a Falcon Metais, em processo suspenso no fim do ano passado, em um sinal de que, diante da crescente dependência de potássio, o governo quer maior controle sobre a sua produção.
O mineral é usado na produção de fertilizantes.
A Petrobras diz que está reavaliando o projeto e não há ainda decisão sobre o futuro da mina.
A empresa, porém, já aprovou planos de expansão na área de fertilizantes com a construção de duas fábricas de amônia e ureia com base no gás natural, dobrando a capacidade nacional e pode ampliar as atividades para a extração do potássio.
Dentro da empresa, há uma corrente que defende o investimento no setor.

Fonte: do jornal O Estado de S.Paulo – 08/11/09


China vai cooperar em desafios aéreos e espaciais com outros países

Os participantes apresentaram sugestões sobre a criação de uma associação global das forças aéreas que permita compartilhar sua informação sobre o espaço exterior
PEQUIM – Mais de 300 oficiais da Força Aérea da China e mais de 30 delegações estrangeiras fecharam o fórum militar internacional realizado em Pequim com o consenso de que as nações devem trabalhar de forma conjunta para enfrentar os desafios aéreos e espaciais, informou a agência “Xinhua”.
Além disso, os participantes apresentaram sugestões sobre a criação de uma associação global das forças aéreas que permita compartilhar sua informação sobre o espaço exterior.
“Trata-se de que as forças aéreas de diferentes países elevem o entendimento e troca, discutam como manter a segurança nos céus e consigam conhecer melhor a China e o ELP (Exército de Libertação Popular da China)”, disse o subcomandante da Força Aérea do gigante asiático.
O fórum militar sobre paz e desenvolvimento aconteceu por causa do 60º aniversário da Força Aérea do ELP, o maior do mundo com mais de 2 milhões de soldados.
Para a celebração deste aniversário o corpo aéreo do ELP está realizando um processo de renovação tecnológica destinado a elogiar o orgulho patriótico, o que preocupa outras potências como os Estados Unidos.

Fonte: EFE – 08/11/09


Ministro propõe ‘IPI verde’ para carros

SÃO PAULO – O ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, trabalha numa proposta polêmica. Ele defende o fim do incentivo tributário para o carro com motor 1.0, o “popular” que desde 1993 paga menos imposto que os carros com motores mais potentes.
O ministro propõe a transferência desse benefício para automóveis de baixo consumo de combustível.
Os carros mais econômicos, diz Jorge, pagariam um Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) menor. O “IPI verde”, como foi apelidado, já está sendo adotado para alguns eletrodomésticos, como geladeiras e máquinas de lavar.
Jorge defende o mesmo mecanismo para os carros.
Diz que a potência do motor não é um critério correto para definir quem vai pagar mais ou menos imposto.
Os automóveis 1.0 são tributados com IPI de 7%, enquanto as outras categorias recolhem até 25%, dependendo do modelo.
“Tem de rever isso. Foi feito em cima de uma aberração”, diz. Ele afirma que a mudança não seria feita agora, mas seu ministério e o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) estão trabalhando há pouco mais de dois anos nesse projeto.
Um dos auxiliares mais discretos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nas últimas semanas Jorge ganhou evidência por causa das retaliações do Planalto às medidas protecionistas adotadas pela Argentina contra produtos brasileiros.
Para forçar os vizinhos a recuar, o Brasil acionou entraves burocráticos e bloqueou caminhões com carga argentina na fronteira. Sobre esse confronto, a discrição do ministro chega a ser mordaz: “Briga? Não tem briga.”

Fonte: AE – Agencia Estado – 08/11/09


Câmara dos EUA aprova lei para reformar sistema de saúde

Por John Whitesides – WASHINGTON- A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos aprovou, por estreita margem, a maior reforma do sistema de saúde em décadas, dando ao presidente Barack Obama uma vitória crucial na batalha que agora segue para o Senado.
Por 220 a 215, contando com o apoio de um republicano ao projeto, a Câmara aprovou no sábado uma lei que estende a cobertura a quase todos os norte-americanos e impede práticas de companhias de seguro como a recusa de tratamento a pessoas com doenças pré-existentes.
Mas no Senado, as discussões sobre o assunto prioridade doméstica de Obama estão paralisadas há semanas, já que o líder do Partido Democrata, Harry Reid, ainda busca uma forma para conquistar os 60 votos de que precisa.
Qualquer discordância entre Senado e Câmara terá de ser resolvida e uma lei final deve ser aprovada novamente por ambas as Casas antes de chegar à sanção de Obama.
A maioria dos republicanos criticou a medida que custará 1 trilhão de dólares, novos impostos sobre os mais ricos e o que chamaram de excessiva interferência do governo no setor privado de saúde.
“Graças ao trabalho duro da Câmara estamos a dois passos de conquistar a reforma dos planos de saúde nos Estados Unidos.
Agora o Senado dos Estados Unidos deve acompanhar e aprovar sua versão da lei.
Estou absolutamente confiante de que assim será”, disse Obama em comunicado depois da votação.
Reid está esperando estimativas de custo do escritório orçamentário do Congresso (CBO, na sigla em inglês) antes de divulgar um projeto de lei pelo Senado.
Mas já tomou uma das decisões mais difíceis: a de incluir no texto o plano de saúde nacional financiado pelo governo.
A reforma geraria as maiores mudanças no sistema de saúde dos EUA, que hoje equivale a 2,5 trilhões de dólares, desde a criação do programa governamental Medicare, voltado aos idosos, em 1965.
Os democratas contavam com um “colchão” de 40 dos seus 258 deputados podiam perdê-los e mesmo assim aprovar a lei.
No fim, 39 democratas ficaram ao lado dos republicanos.
A votação é um marco e um grande passo para Obama, que usa seu capital político na batalha da reforma do sistema de saúde.
Uma derrota na Câmara teria dado fim ao combate, paralisando o resto de sua agenda legislativa, e deixaria os democratas vulneráveis a duras derrotas nas eleições parlamentares do ano que vem.

Fonte: Reuters – 08/11/09


Premiê chinês promete US$ 10 milhões para África

O premiê chinês, Wen Jiabao, prometeu neste domingo que irá dar US$ 10 milhões em concessões de empréstimos para ajudar as nações africanas nos próximos três anos.
Ele disse ainda que Pequim iria cancelar as dívidas dos países mais pobres, uma vez que a potência asiática quer acabar com as críticas de que os investimentos que faz no continente africano são motivados apenas pela ganância.
Jiabao afirmou também que a China iria construir 100 novos projetos de energia limpa para a África ao longo do mesmo período, como parte dos esforços para ajudar o continente a lidar com as questões das mudanças climáticas.
“Nós ajudaremos a África a melhorar sua capacidade de financiamento.
Daremos US$ 10 milhões em concessões de empréstimos às nações africanas”, disse Jiabao no Fórum China-África realizado no Egito.
As promessas são parte do aumento do interesse da China em relação à África, que tem gerado críticas por parte daqueles que argumentam que a busca por recursos naturais para impulsionar o crescimento chinês ignora o aumento dos problemas com direitos humanos em muitos países africanos.
Mas Jiabao disse que enquanto parte do mundo só agora começa a notar o papel da China na África, essa relação na verdade já dura cinco décadas e inclui ajuda a países que se livraram do colonialismo.
“O povo chinês oferece amizade verdadeira ao povo africano e o apoio da China ao desenvolvimento da África é concreto e real”, afirmou.

Fonte: Associated Press – 08/11/09