Programa de Implante Coclear completa 10 anos no HAM em Pernambuco

ses

Como forma de chamar a atenção para a Semana Nacional de Prevenção e Combate à Surdez e incentivar o cuidado da população com a saúde auditiva, o setor de Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia do Hospital Agamenon Magalhães (HAM) promoveu, na manhã desta quarta-feira (06.11), no Sítio da Trindade, em Casa Amarela, programação voltada para celebrar os 10 anos do Programa de Implante Coclear. A cirurgia é realizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Pernambuco, sendo indicada para quem tem perda severa ou profunda da audição em ambos os ouvidos.

Pela manhã, das 9h às 12h, ocorreu o 10º Encontro de Pacientes com Implante Coclear com programação voltada para a saúde auditiva. Houve mobilização com ação de panfletagem, espetáculo para crianças e adultos com o grupo Palhaçaria (Cia Suno/SP), além da presença de pacientes que realizaram o procedimento cirúrgico, familiares e especialistas para falar sobre o tema. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 360 milhões de pessoas no mundo vivem com alguma deficiência auditiva incapacitante.

O Hospital Agamenom Magalhães – centro de alta complexidade para saúde auditiva – é um dos serviços de referência no Estado de Pernambuco, além do Imip, credenciado pelo Ministério da Saúde (MS), para realização da cirurgia do implante coclear. Desde o início da implantação do serviço no HAM, em dezembro de 2009, 210 pacientes foram beneficiados pela cirurgia. Na unidade, uma equipe multidisciplinar composta por assistente social, psicólogo, psicopedagogo, neuropediatra, otorrinolaringologista e fonoaudiólogo, realizam o tratamento de reabilitação da audição e da fala no paciente com deficiência auditiva, além de acompanhamento psicológico de familiares.

Em crianças que já nascem com a deficiência é importante que o diagnóstico seja feito o quanto antes, de preferência até os quatro anos de idade, para otimizar o tratamento e a aquisição da fala. “Neste ano, o Programa de Implante Coclear do HAM completa uma década de serviços prestados aos usuários do SUS em Pernambuco. Este momento é oportuno para informar, alertar e orientar adultos, crianças e adolescentes sobre a saúde auditiva, tratada como uma questão de saúde pública pela relevância social e impacto que causa na vida das pessoas. É importante que a população saiba que a perda auditiva grave pode ser reabilitada por meio do implante coclear oferecido de forma gratuita pelo SUS”, afirma a chefe do setor de Otorrinolaringologia do HAM, Mariana Leal.

O implante consiste em uma prótese colocada dentro da cóclea (parte interna do ouvido) através de uma cirurgia, e outra presa ao redor da orelha, composta pela antena e o processador de fala. O aparelho capta os sons e transfere diretamente este som para o nervo auditivo, possibilitando que o paciente gradativamente comece a ouvir, permitindo uma comunicação eficiente. Após um mês da operação, o paciente começa a usar o aparelho externo, programado para que a estimulação elétrica realmente ocorra.

Detecção precoce – As unidades de saúde devem realizar a triagem auditiva neonatal, o chamado teste da orelhinha. Esse é um exame obrigatório que ajuda a detectar desde cedo problemas auditivos nas crianças.

Como evitar problemas audtivos?

– Não colocar qualquer objeto no ouvido: a limpeza do ouvido deve ser realizada apenas por profissional capacitado.

– Não se expor a som alto: Ruídos acima de 85 dB já são considerados uma ameaça à saúde auditiva.

– Toda criança ao nascer deve fazer o teste da orelhinha: esse teste é feito ainda na maternidade e serve para detectar precocemente a perda auditiva.

– Evitar medicações que podem ser tóxicas à audição: alguns antibióticos e outros tipos de medicamentos podem provocar perda auditiva, usar sempre com orientação médica.

– Sinais de alerta: dor de ouvido, sensação de ouvido abafado, secreção no ouvido, zumbido, dificuldade de aprendizado escolar.

Se você acha que não está ouvindo bem ou se já tem uma perda auditiva confirmada procure um médico otorrinolaringologista. O otorrinolaringologista e o fonoaudiólogo são profissionais capacitados para o tratamento e reabilitação da perda auditiva. 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *