Condic extraordinário aprova projetos estratégicos em Pernambuco

condic
ara acompanhar o calendário de implantação de novos investimentos, o Governo de Pernambuco atende aos prazos da Nova Tecelagem e Fiação e do grupo Big Bompreço   

Para aprovar seis projetos estratégicos que demandam um prazo curto de implantação, foi realizada uma reunião extraordinária do Conselho Estadual de Políticas Industrial, Comercial e de Serviços (Condic), nesta quarta-feira (21/08), no auditório Aymar Soriano, na sede da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper).

Ainda haverá mais duas reuniões neste ano, sendo uma em outubro e a outra em dezembro.

Neste 107º Condic, foram aprovados um projeto de implantação de indústria da Nova Tecelagem e Fiação e cinco que visam a ampliação das operações do grupo Big Bompreço no estado (com a importação de produtos).

No início do mês, o governador Paulo Câmara assinou um protocolo de intenções com a diretoria da Nova Fiação, que prometeu investir R$ 100 milhões na construção de uma fábrica em Bezerros, gerando 545 empregos diretos.

Já o Big Bompreço está investindo em três projetos de ampliação do comércio importador atacadista em Jaboatão dos Guararapes. No Cabo de Santo Agostinho, o grupo vai implantar um e ampliar outro no mesmo segmento.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, explica que as análises para aprovação de incentivos para as empresas têm calendário definido, ao qual as empresas se adequam para pleitear benefícios do estado, mas há empreendimentos importantes que precisam ser analisados de forma extraordinária. “Conseguimos fazer uma alteração no fluxo de trabalho, de forma que, imediatamente após a aprovação no Condic, a publicação do decreto já é encaminhada para que a empresa possa começar a usufruir dos benefícios do Prodepe.

Para esse caso, reunimos dois projetos. Um é o da Nova Tecelagem Fiação, que já tem protocolo de intenções com o Estado e outro é o BIG Bompreço, que era Walmart, foi adquirido por um novo grupo, lançou a nova marca e, a partir de cinco projetos no Estado, pretende consolidar Pernambuco como o principal hub de importação e distribuição dos seus produtos”, ressalta.

“Como são investimentos já anunciados, a reunião extraordinária agiliza a sequência do cronograma de implantação que eles acertaram com os protocolos de intenção assinados”, complementa.   

O presidente da AD Diper, Roberto Abreu e Lima, reforça: “É uma questão de eficiência no processo de concessão de incentivos fiscais. Não é algo corriqueiro acontecer uma reunião extraordinária. Temos um calendário a seguir. Mas abrimos essa exceção porque esses projetos são estratégicos e possuem um prazo curto de implantação. Foi importante quebrar este paradigma”, justifica Abreu e Lima, que não pôde estar presente na reunião, pois viajou a Petrolina para participar da programação do Todos por Pernambuco.

NOVA TECELAGEM E FIAÇÃO

O Grupo Santana Textiles tem como origem a fabricação de redes de dormir, segmento no qual foi líder nacional no final da década de 1970. No início dos anos 1980, nasceu a Fiação Santana, a primeira indústria brasileira desse segmento totalmente voltada para o processo open-end para a produção de fios de algodão.

Em 1995, a empresa adentrou um novo segmento, a tecelagem, passando a produzir tecidos denim. Desta forma, foi inaugurada a primeira unidade têxtil do grupo, uma fábrica em Horizonte, interior do Ceará, cuja capacidade produtiva é de aproximadamente 3,5 milhões de metros/mês de tecido. Atualmente, são gerados cerca de 2,2 mil empregos diretos.

De acordo com o Grupo Santana Textiles, as obras de construção da planta deverão ser iniciadas em dezembro de 2019 e podem durar até três anos. No entanto, a companhia planeja começar a funcionar a partir de 2020, quando deverão ser empregados cerca de 250 funcionários.

Até o final de 2021, a produção mensal da fábrica será de 1.200.000 metros de tecido Denim e 700.000 kg de fios. Esses itens são aplicados na produção de malharia (cotton, meia malha, pique, ribana, meias, moletons, entre outros) e tecelagem (artigos para cama, mesa e banho).

O protocolo de intenções contempla a adesão da Nova Tecelagem e Fiação ao Prodepe, que prevê crédito presumido a ser aplicado sobre o saldo devedor do ICMS normal de até 90% – percentual previsto pelo programa de incentivo fiscal para a Zona do Agreste, a recolher nos próximos 12 anos. Segundo a AD Diper, a empresa estará autorizada, pelo prazo máximo de seis meses, a terceirizar seus serviços fora dos limites estaduais.

BIG BOMPREÇO

A história do grupo começou em 1995, com a chegada do Walmart ao Brasil. A primeira loja no país foi uma unidade do Sam’s Club em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. No mesmo ano, foi inaugurado o Walmart Osasco. A expansão começou pela Região Sudeste, com o formato hipermercado.

A conquista de outras regiões brasileiras aconteceu após importantes aquisições. Em 2004, houve a compra do Bompreço, líder no Nordeste e referência em varejo na região. No ano seguinte, foi concluída a aquisição do Sonae Distribuidora no Sul, com forte presença nos três estados da região com as bandeiras BIG, Nacional, Maxxi Atacado e Mercadorama.

Em 2011, o grupo resolveu trazer para o Brasil a estratégia de preço que levou o Walmart a conquistar o mercado nos Estados Unidos e a tornar-se o maior varejista do mundo: o “Preço Baixo Todo Dia” (PBTD). Única no mercado brasileiro, essa estratégia buscava comunicar ao consumidor um compromisso de preço baixo constante no total da cesta de compra. Em sete anos, foi investido forte na comunicação do PBTD e no formato hipermercado.

Em julho de 2018, o Fundo de Investimento Advent adquiriu 80% do Walmart Brasil, e os 20% restantes ficaram para o Walmart INC. A partir dessa negociação, um novo capítulo da história do grupo começava: a gestão de negócio passava a ser independente e 100% local. Em agosto deste ano, o nome da companhia passou a ser Grupo Big, e a principal missão será investir fortemente no “atacarejo”, dominar o formato de clube de compras e elevar o padrão operacional dos hipermercados.

DESTAQUES DA 107ª REUNIÃO DO CONDIC (EXTRAORDINÁRIA)

  • 06 projetos: sendo 01 indústria e 05 importadoras;
  • Total de empregos: 545 sendo todos no interior do estado;
  • 01 projeto industrial no interior totalizando R$ 100 milhões;
  • 02 municípios contemplados na RMR: Jaboatão dos Guararapes e Cabo de Santo Agostinho;
  • 01 município contemplado no interior: Bezerros.

DIVISÃO DE PROJETOS NAS DUAS REGIÕES DE DESENVOLVIMENTO (RDs):

  • 05 na RD Metropolitana: Jaboatão dos Guararapes (03) e Cabo de Santo Agostinho (02);
  • 01 no interior distribuídos na seguinte RD:
  • 01 Agreste Central – Bezerros (01);

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *