Amazon mapeia ruas, calçadas e casas para criar “clones” de cidades

Modelos virtuais de ruas, calçadas e casas servem para orientar os novos robôs de entrega da gigante do comércio eletrônico. Até as falhas do pavimento são registradas

FonteWired  |  Autor: Tom Simonite/Wired | Tradução Mobilize  

Robô virtual circula pelo clone de um bairro em Se
Robô virtual circula pelo “clone” de um bairro em Seattle
créditos: Divulgação Amazon

Em março, ao caminhar, um pedestre viu algo estranho no subúrbio de Silver Firs, em Seattle. Um robô de seis rodas com o logo da Amazon Prime em sua carapaça azul-celeste percorria as calçadas e as calçadas, assistido por um representante da empresa. “Fiquei surpreso, animado e muito curioso”, diz Matt Bratlien, sócio da Net-Tech, uma empresa de serviços de TI nas proximidades de Bellevue. 

Bratlien tinha visto o Scout, um robô de entrega que a Amazon está testando na área, inclusive transportando pedidos reais aos clientes. No entanto, ele não pode ver os clones digitais rastejando por uma cópia virtual do bairro criada pela Amazon a partir de varreduras da área com lasers, câmeras e aeronaves.

A Amazon sabe muito sobre o mundo graças aos dados de seu vasto negócio de varejo e plataforma de computação em nuvem. Na zona de 2 quilômetros quadrados do condado de Snohomish, na costa oeste dos EUA, ela mapeou detalhes incomuns:  até a posição das ervas daninhas que brotam pelas grades de drenagem. A cópia digital da empresa espelha a posição das guias e calçadas em centímetros e texturas, como os grãos de asfalto, em milímetros.

O Scout real em uma entrega em Seattle 
Foto: Amazon

Esse bairro virtual permite que a Amazon teste as entregas milhares, talvez milhões de vezes, sob condições climáticas variáveis, sem invadir a vizinhança com seus robôs azuis. “Os bots podem rodar 24 horas por dia na simulação”, diz Sean Scott, o executivo que lidera o projeto. 

A tecnologia de mapeamento e simulação não é apenas uma ferramenta de pesquisa. Ela também pode ajudar a Amazon a implantar os robôs em novos bairros quando eles estiverem prontos para uso geral, primeiro testando-os em simulações. “Nós construímos modelagem de tal forma que podemos mapear uma cidade inteira”, diz Scott.

Assim, quando o robô Scout chegar a uma nova cidade pela primeira vez, seu sistema de controle provavelmente terá “visto” todas as costuras do pavimento milhares de vezes antes. Nas ruas, o Scout deve lidar com os desafios não vistos dentro dos espaços controlados da Amazon. Nas calçadas, diz Scott, os robôs são programados para desacelerar e parar caso pessoas ou animais chegarem muito perto.  

A Amazon chegou relativamente tarde ao mundo dos robôs de entrega. A Startup Starship Technologies, fundada por dois criadores do Skype, e a concorrente Marble estavam entregando pizzas e outros pedidos de alimentos no início de 2017. Nenhuma dessas empresas provou que os robôs de entrega podem ser confiáveis ou lucrativos em larga escala.

A maioria, como a Amazon, implanta seus robôs com acompanhantes humanos que assumem o controle em caso de problemas. Os atendentes da Amazon também fazer a descarga dos pacotes nas residências dos clientes. O Kiwi, que entrega comida para os estudantes da Universidade de Berkeley, despacha os robôs desacompanhados, mas paga trabalhadores remotos, na Colômbia, para orientá-los pela internet.

O tamanho da Amazon e o profundo investimento em logística diferenciam o projeto da empresa. O robô Scout se junta a uma frota de entrega que inclui aeronaves e milhares de vans. A empresa possui profunda experiência em robótica; emprega mais de 200 mil deles dentro de suas operações de varejo para mover prateleiras, carregar paletes e separar pacotes, entre outras tarefas.

Leia mais (em inglês) no site da Wired

Mobilize  


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *