A CRUZ DO PATRÃO NO RECIFE ANTIGO

A imagem pode conter: céu, nuvem, planta, atividades ao ar livre e natureza

A Cruz do Patrão, construída no istmo que liga o Recife à Olinda, está localizada ao norte do Forte do Brum e ao sul do Forte do Buraco, edificado pelos holandeses no século XVII e hoje desaparecido. Trata-se de uma pesada e alta coluna dórica, feita de alvenaria, com seis metros de altura e dois de diâmetro, tendo em cima uma cruz de pedra.

A cruz original era de madeira e, segundo Pereira da Costa, o monumento teria sido construído, no início do século XIX, possivelmente em 1814, para servir de baliza às embarcações que entravam no porto do Recife. O nome indica patrão-mor, mestre de barco.

Segundo a tradição, o local é tido como mal-assombrado, porque era onde se enterravam escravos que morriam ao chegar da África. Por ser um lugar ermo, nas suas proximidades ocorriam, também, vários assassinatos e fuzilamentos.

As pessoas que iam do Recife à Olinda à noite, evitavam passar por perto da Cruz do Patrão, pois havia uma crença que se o fizessem, ouviriam gemidos angustiantes, veriam almas penadas ou seriam perseguidos por espíritos maléficos.

Gilberto Freyre, no seu livro Guia prático, histórico e sentimental da cidade do Recife, diz que na época colonial, no local onde hoje se encontra a Cruz, os negros se reuniam para fazer catimbó e que certa vez apareceu o diabo, pegou uma “negra de toutiço gordo e sumiu com ela no meio d´água. Tudo isso, entre estouros e no meio de muita catinga de enxofre”.

Maria Graham, uma inglesa que visitou o Recife, conta no livro de viagens que escreveu sobre o Brasil do século XIX, que viu no local cadáveres mal enterrados, com pés e pernas sobre a terra.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a 2ª Companhia Independente de Guardas foi encarregada de fazer a proteção do porto contra os alemãs. Os soldados temiam guarnecer a Cruz, muito mais pelos mal-assombros do lugar do que pelos possíveis invasores.

Recife, 10 de setembro de 2003.

(Atualizado em 24 de agosto de 2009).

FONTES CONSULTADAS:

A CRUZ do Patrão. Suplemento Cultural D. O. PE, Recife, ano 16, p. 10, abr. 2002.

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: estátuas e bustos, igrejas e prédios, lápides, placas e inscrições históricas do Recife. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977. p. 36-37.

Fonte: GASPAR, Lúcia. Cruz do Patrão. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

Site Fundaj
Bibliotecas da Fundaj

Foto: 1930

Hoje necessita de recuperação do local para poder ser visitada como merece, mas nossos gestores Incompetentes não ajudam.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *