Polo Médico do Recife atrai R$ 400 milhões em novos investimentos

A competitividade da capital pernambucana continua a atrair robustos investimentos para o Polo Médico, reconhecidamente o segundo maior do Brasil, depois de São Paulo. Prova deste ambiente economicamente favorável foi a oficialização ao poder público, nesta sexta-feira (26), de mais um megaprojeto: a construção do hospital oncológico premium Memorial Star, da Rede D’Or São Luiz, que custará R$ 263 milhões.

Juntamente com a ampliação do Hospital Santa Joana, anunciada recentemente pelo Grupo UnitedHealth, são mais de R$ 400 milhões em dinheiro novo injetados no setor, com geração de 2 mil empregos diretos.

Nesta sexta-feira (26), o secretário Bruno Schwambach e o prefeito Geraldo Júlio, além dos secretários municipais João Braga (Mobilidade) e Guilherme Calheiros (Desenvolvimento Econômico), reuniram-se com os investidores do Memorial Star, no gabinete do prefeito. As obras, que serão iniciadas em janeiro de 2020, devem durar dois anos.

“O Governo do Estado e a PCR estão articulados na atração de novos empreendimentos. Juntos, viabilizamos a implantação de dois novos hospitais do Recife com duas das maiores operadoras do Brasil”, reforçou Schwambach.

Serão ofertados 181 leitos com atividades e serviços múltiplos em um edifício de 14 andares. A perspectiva é gerar 1.086 empregos diretos, além de 1,5 mil indiretos. Participaram do encontro os empresários José Aécio Fernandes Vieira Filho e Bruno Vieira, da Orea Empreendimentos, que ficarão a cargo do projeto imobiliário, e o diretor da Rede D’Or Roberto Albanese.

“Os players de decisão, de desenvolvimento, estão dentro do Recife. Queremos concentrar o que for inteligência, o que for pesquisa e inovação, e esse empreendimento é um tiro no alvo. A gestão tem estado junto e quer colaborar para vencer a burocracia que assola o país, isso é prioridade. O Recife oferece empregos para toda a Região Metropolitana, pessoas de 13 cidades do entorno são empregadas na cidade”, pontuou o prefeito.

A Rede D’Or São Luiz é atualmente o segundo maior grupo hospitalar do país, e em Pernambuco é proprietária dos hospitais Esperança, São Marcos, Esperança Olinda e Memorial São José. O novo empreendimento ficará localizado ao lado do São José, no quadrante das Ruas das Fronteiras, Paissandu e Mário Domingues, no bairro da Boa Vista.

Já o Hospital Santa Joana planeja investir cerca de R$ 140 milhões na expansão. Com isso, a instituição vai ampliar a sua capacidade de leitos nos próximos três anos, passando dos atuais 180 para mais de 300. A nova torre, que se chamará Eustácio Vieira, abrigará o mais moderno centro cirúrgico das regiões Nordeste e Norte. A expectativa do Grupo UnitedHealth é a de gerar cerca de mil postos de emprego novos.

Crescimento na crise – Pesquisa realizada pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, em conjunto com a Prefeitura do Recife, reforça o que os empresários e trabalhadores do setor de saúde já sabem: o segmento manteve empregabilidade em crescimento real mesmo durante a crise de 2015 a 2018, o que só reforça o posto de maior grupo econômico do Recife, com faturamento em torno de R$ 5,6 bilhões por ano.

De acordo com o levantamento, o setor da saúde produziu um superávit de 3.925 vagas de emprego formal durante o período recessivo, implicando em um ganho acumulado, durante nove anos, de 23.309 novos postos de trabalho. São estabelecimentos como clínicas, hospitais e laboratórios, que juntos concentram o sexto maior estoque de empregos do Recife (6,75%). Mantiveram-se em alta ocupações como auxiliar de escritório, farmacêutico, enfermeiro e fisioterapeuta, por exemplo, que tiveram expansão do estoque de vagas.

A pesquisa realizada pela SDEC e PCR mostra que o nível de faturamento das empresas de saúde indica uma tendência contínua de crescimento real desde 2013, com aceleração a partir de 2018. O ganho acumulado no ano passado, em relação a 2017, foi de +13,58%. Atualmente, estão registrados na cidade 44.718 funcionários no setor de saúde, sendo que 19.253 deles (43% do total) estão em empresas com mil empregados ou mais em seu quadro efetivo de funcionários.

Fora da curva – A última edição do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), referente ao mês de março, mostrou outro dado relevante envolvendo o setor. A pesquisa divulgada na quarta-feira (24) pelo Ministério da Economia mostra que o saldo positivo, em Pernambuco, coube à manutenção da geração de vagas do setor de serviços, com foco nos serviços médicos, odontológicos e veterinário. No acumulado de janeiro a março, o saldo foi de 2.638 novas vagas criadas, somente nestes segmentos.

(Da Sdec, do Governo de Pernambuco)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *