CONHEÇA UM POUCO DE AGRESTINA, AGRESTE CENTRAL DE PERNAMBUCO

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Nenhuma descrição de foto disponível.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas andando a cavalo, cavalo e atividades ao ar livre

HISTÓRIA

No final de 1845, quando os sertões sentiam os efeitos da crise causada pela seca devastadora, a área onde se localiza atualmente a cidade de Agrestina não passava de uma pequena fazenda.

Atraídos pela água que jorrava espontaneamente de uma fonte localizada nessa fazenda, alguns moradores resolveram perenizar a nascente, cavando um grande poço para o abastecimento da população e dos animais.

Não havendo nas proximidades outra fonte de água potável, novos moradores foram se instalando em torno desse local, surgindo então os primeiros casebres de taipas, que começou a progredir e foi chamado de Bebedor das Queimadas e, posteriormente, Bebedouro.

As primeiras famílias locais deram início à exploração das terras, resultando na descoberta de uma imagem de Santo Antônio, talhada em madeira, provavelmente perdida por algum caminhante.

Julgando tratar-se de um milagre, os moradores ilustres lançaram os fundamentos de uma capela, futura matriz de Agrestina, sob a invocação de Santo Antônio, padroeiro do lugar. Em 1943, mudou a denominação de Bebedouro para Agrestina, provavelmente em referência à sua localização no coração do Agreste.

DADOS DO MUNICÍPIO

Agrestina é um município do Agreste Central de Pernambuco, a 154 Km
do Recife, na unidade geoambiental do Planalto da Borborema. Fica nos
domínios da bacia hidrográfica do rio Una e está incluído na área
geográfica de abrangência do semiárido brasileiro.
Como atrações turísticas a cidade tem praças,açudes, matas e trilhas,
além da Cavalgada do Chocalho e da tradicional festa de Nossa Senhora
do Desterro, além de vaquejadas, festas juninas e quermesses.

A cidade ainda possui comunidades quilombolas como as de Pé de Serra
dos Mendes e a de Brejinho de Cajarana, berço da Mazurca, uma dança
cultural de escravos e índios quase desaparecida no Brasil.

Fontes: IBGE, AMUPE e CONDEPE/FIDEM


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *