CONHEÇA CABROBÓ EM PERNAMBUCO

Nenhuma descrição de foto disponível.
A imagem pode conter: texto
A imagem pode conter: nuvem, céu, texto, atividades ao ar livre e natureza

O povoamento de Cabrobó teve início no século XVIII, em torno de uma aldeia de índios, conhecidos como Rodelas de Cabrobó.

Depois, o Sr. Francisco Dias Dávila II, pertencente à dinastia sertanista da Casa da Torre, instalou-se com uma fazenda de criação de gado, que prosperou a ponto de receber o título de Paróquia, sabendo-se de sua existência já em 1696.

O povoado, onde atualmente é a sede do município, era conhecido pelo nome de Brejão de Santa Cruz, por ser uma região de clima agradável e de vegetação abundante.

O distrito de Cabrobó foi criado em 1786, pertencendo à freguesia de Santa Maria. A povoação de Cabrobó foi elevada à categoria de vila, com a mesma denominação e território desmembrado do de Boa Vista, em 1854.

A origem do topônimo Cabrobó é controversa, existindo várias versões indígenas, entre elas “guerra, luta” ou “árvore ou mato de urubus”, além de outras interpretações como “indivíduo paupérrimo”, “de pés no chão”, “à toa” ou ainda “lugar de cobras negras”.

DADOS DO MUNICÍPIO

Cabrobó é um município brasileiro do estado de Pernambuco, localizado no Sertão do São Francisco. A cidade é ponto de partida do eixo norte da Transposição do Rio São Francisco e tem a agricultura como principal fonte de renda.

O município localiza-se na unidade ambiental da depressão sertaneja, com relevo suave a ondulado. Cabrobó é um dos municípios com maior risco de desertificação do país.

Administrativamente, o município é formado pelo distrito sede e pelos povoados da Aldeia Indígena N. S. da Assunção, Ilha de Assunção, Mãe Rosa e Murici.

Um dos principais pontos turísticos do município são suas cachoeiras e as águas verdes do rio São Francisco. Os eventos populares como a Festa da Cerveja e as Vaquejadas, junto com os festejos de São João são atrativos para moradores e turistas. É conhecida pelos seus moradores como “Cabrobó Terra da Cebola e do Arroz”.

Fontes: IBGE, AMUPE e CONDEPE/FIDEM


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *