Projetos valorizam patrimônio cultural e natural através do turismo

Três iniciativas inovadoras do mercado de Viagens foram premiadas pelo MTur em reconhecimento ao trabalho de valorização dos atributos brasileiros

Por Geraldo Gurgel

21.02.2019 iniciativas valorização do Patrimônio
Vencedores da categoria Valorização do Patrimônio pelo Turismo recebem o reconhecimento do MTur em cerimônia no Rio de Janeiro. Foto: Roberto Castro/MTur

Visitar atrativos históricos, culturais ou naturais contribui para preservar o patrimônio brasileiro. No Brasil, três iniciativas do mercado de Viagens que contribuíram com esse propósito foram reconhecidas pelo 1º Prêmio Nacional do Turismo, promovido pelo MTur. Um total de 47 projetos foram inscritos na categoria Valorização do Patrimônio pelo Turismo.

A 2ª Etapa do Cais do Sertão – também conhecido como Museu Luiz Gonzaga, no porto de Recife – levou o primeiro lugar entre os inscritos. O projeto da Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer de Pernambuco foi idealizado como parte de um grande plano de integração do Porto Novo, direcionado à revitalização do centro antigo do Recife, por meio da requalificação de espaços que anteriormente abrigavam atividades portuárias.

O museu é um espaço cultural e educacional que leva o visitante a viajar pela exposição com elementos da cultura nordestina, do litoral ao sertão. As atividades desenvolvidas visam a apresentação, aos visitantes, de uma experiência de cunho intelectual e pertencimento afetivo à cultura nordestina. O galpão de 5 mil metros quadrados conta, ainda, com auditório para apresentações e convenções, espaço para exposições temporárias, bar e café, além de restaurante na cobertura com vista panorâmica.

“A conclusão do Módulo II amplia o conceito de museu para Centro Cultural Cais do Sertão, onde já é possível realizar atividades com a população, dando múltiplos usos às instalações e o sentimento de preservação do patrimônio cultural”, comemora Ana Luíza Accioly, coordenadora do projeto que foi executado com recursos do Prodetur Nordeste.

O segundo colocado da categoria foi o Museu Casa do Carnaval da Bahia. O espaço cultural, aberto à visitação, foi criado para retratar a evolução da festa baiana, desde os primórdios do Brasil até os dias de hoje, em sua diversidade de ritmos e de manifestações populares. A Casa do Carnaval conta a história de uma festa que se tornou o símbolo da criatividade e o espetáculo mais democrático do povo baiano, que vai às ruas mostrar sua identidade e sua alegria de viver.

Inaugurado em fevereiro de 2018, o museu oferece ao público um acervo digital audiovisual interativo, seguindo a tendência dos museus contemporâneos do mundo. O projeto da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Salvador foi instalado num casarão secular de quatro pavimentos no Pelourinho, em Salvador, com uma das mais belas vistas da Baía de Todos os Santos. “É um espaço aberto, em permanente construção, que mostra seu repertório com uma visão geral, a ser complementada, a cada ano, incorporando novas histórias e novidades”, diz Taiane Campelo, coordenadora do museu. O acervo de cores, luzes, música, fotos e vídeos conta com tradução para o inglês e espanhol.

A iniciativa premiada em terceiro lugar foi a Rede Brasileira de Trilhas de Longo Curso e Conectividade. O projeto é do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). São caminhos de pedestres com o objetivo de guiar a visitação turística e apoiar a conservação da natureza. Além da recreação, o projeto visa proporcionar a integração dos ecoturistas com as comunidades locais e a geração de renda através da oferta de guias de turismo, condutores, hospedagem, alimentação e transporte, entre outros serviços. “A valorização do patrimônio natural e os benefícios ecológicos e ambientais são inerentes à proposição e finalidade da implementação deste projeto”, destaca Fábio Araújo, técnico da coordenação-geral de Uso Público e Negócios do ICMBio.

Araújo destaca, ainda, que a conectividade de paisagens por meio de trilhas de longo curso é relevante estratégia de conservação, já que um dos principais fatores que ameaçam a biodiversidade é a fragmentação dos habitats. As trilhas ligam diferentes biomas de norte a sul do país, conectando paisagens e ecossistemas para promover a organização, estruturação da oferta turística de natureza e aventura no Brasil. Em dois anos, foram implementados 1.900km de quatro trilhas: Rota Darwin (RJ), Trilha Transcarioca (RJ), Caminho de Cora Coralina (GO) e Caminhos da Serra do Mar (SP).

BOAS PRÁTICAS – O Ministério do Turismo criou um Banco de Boas Práticas para divulgar as dez iniciativas com melhor classificação, por categoria, no 1º Prêmio Nacional do Turismo. O objetivo é dar visibilidade e multiplicar os casos de sucesso do setor, disponibilizando contatos, vídeos e materiais informativos apresentados pelos proponentes inscritos no certame. Das 241 propostas apresentadas, 70 podem ser consultadas NESTE LINK.

Edição: Vanessa Sampaio

MTur


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *