Microempresa terá incentivos para crescer, diz secretário estadual

Folha de Pernambuco entrevista o secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco, Alberes Lopes

Por: Juliana Albuquerque

Alberes Lopes, secretário de Micro e Pequena Empresa, Qualificação e Trabalho de Pernambuco
Alberes Lopes, secretário de Micro e Pequena Empresa, Qualificação e Trabalho de Pernambuco
Foto: DivulgaçãoPernambuco é um dos estados com a maior taxa de desocupados do Brasil. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, do IBGE, o percentual local de desocupados é de 16,7%, enquanto a taxa do Brasil é de 11,9%. Em números absolutos, esse percentual equivale a nada menos que 703 mil pessoas sem trabalho.É diante desse cenário desafiador que o jovem administrador de empresas e vereador licenciado de Caruaru, Alberes Lopes, assume a Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação de Pernambuco pelos próximos quatro anos. E para saber um pouco de que forma pretende conduzir os trabalhos à frente da pasta, a Folha de Pernambuco conversou com o gestor, que aos 36 anos é um dos mais jovens secretários a compor o primeiro escalão do governo Paulo Câmara.

Qual será a estratégia da Pasta para reduzir o número do desemprego em Pernambuco pelos próximos quatro anos?
Qualificação, incentivos à micro e pequenas empresas, com redução da burocracia, investir cada vez mais em parcerias com os municípios e na interiorização das nossas ações, além, é claro, de incentivar as operações de créditos para que essas empresas, as que mais empregam em Pernambuco, possam ou expandir ou começar um novo negócio.

O senhor fala em reduzir a burocracia na abertura de novas empresas. Como isso vai acontecer?
Atualmente, o tempo para se abrir uma empresa em Pernambuco é de 45 dias. A nossa gestão trabalha com uma meta de reduzir esse número para 20 dias. Lembrando, claro, que esse prazo se refere à burocracia que compete ao Estado.

Além dessa redução no tempo de abertura de empresas no Estado, qual a meta da sua pasta com foco nesse micro e pequeno empresário pernambucano?
O nosso estado será o primeiro a criar uma lei específica para as micro e pequenas empresas, que são as que mais empregam em Pernambuco. Além disso, estamos trabalhando com a nossa Agência de Fomento para promover quatro mil operações de créditos com menos burocracia nesses quatro anos para incentivar esse pequeno empreendedor a expandir ou iniciar o seu próprio negócio.

Um dos principais pilares da sua secretaria é a qualificação. Neste sentido, quais os planos para ampliar os trabalhos de capacitação ofertados nos Expressos do Empreendedor?
Vamos expandir os Expressos Empreendedores, fazendo com que eles ampliem por cada região do Estado de acordo com a demanda de cada cidade. A nossa ideia é fazer com que cada região tenha a mão de obra qualificada por setor que precisar.

Como isso vai acontecer na prática?
O nosso caso mais clássico é o da cidade de Floresta. Lá, por exemplo, tem produção de couro para exportação. No entanto, existia muita sobra de matéria-prima, que não era utilizada. Ao conhecer a realidade do local, buscamos desenvolver uma qualificação para que os trabalhadores pudessem aproveitar essa sobra e utilizá-la na fabricação de bolsas e sandálias, gerando, dessa forma, emprego e renda para a população local. Trata-se de um olhar diferente da qualificação, gerando oportunidades que até então não existiam.

O senhor falou desse exemplo de Floresta. Olhando sobre esse ponto, podemos dizer que a sua gestão não vai olhar apenas para a capital, mas focar na interiorização?
Estamos trabalhando com a Amupe para abrir em todas as 12 regiões do Estado Expressos do Empreendedor. Desta forma, conseguimos conhecer e identificar a realidade e necessidade de qualificação de cada região. Ou seja, promover capacitação de acordo com a realidade de cada município.

Quais os planos para os jovens em sua gestão?
Em parceria com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, de Sileno Guedes, traremos projetos para dentro dos expressos direcionados para os jovens. Ainda este ano, neste primeiro semestre, teremos novidades sobre esse assunto.

O senhor está otimista com os próximos quatro anos?
Sim, pois a expectativa é que a economia comece a retomar o seu crescimento e as ações do governo do estado vão gerar novos postos de trabalho.

Folha de Pernambuco


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *