Suape em busca de investimentos e parcerias

O crescimento de Pernambuco na última década passou por Suape e a sua retomada também depende do dinamismo desse complexo portuário industrial. Não por acaso, ele é um dos principais objetos de investigação da Pesquisa Empresas & Empresários (E&E), que analisa como as organizações estão superando a crise. A E&E é realizada pela TGI Consultoria em Gestão e pelo INTG, com patrocínio do Governo de Pernambuco.

A busca de novos investimentos de infraestrutura e de novas empresas para o complexo estão entre as estratégias adotadas pelo presidente de Suape, Carlos do Rêgo Vilar, para garantir a competitividade do polo. A aceleração da vinda de investimentos, no entanto, aguarda a devolução da autonomia dos portos perdida com a Lei 12.815/2013, que federalizou a gestão do terminal portuário, aprovada ainda na gestão Dilma Rousseff e mantida durante o governo de Michel Temer. “Qualquer que fosse o resultado da eleição, eu tinha certeza que haveria essa descentralização”, assegura Vilar. Ela aponta que a lei paralisou vários investimentos.

Mesmo com essas limitações e com os efeitos da crise econômica do País, a gestão do complexo conseguiu algumas conquistas. Uma delas foi a autorização para a Agrovia do Nordeste (terminal de açúcar localizado no porto) poder movimentar outros tipos de cargas. “Isso é muito importante para diversificarmos a movimentação”, afirma o presidente.

Recentemente foram realizadas também audiências públicas pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários para tratar dos processos de licitação do Terminal de Veículos e do segundo Terminal de Contêineres (Tecon II). A expectativa dos diretores do complexo é que esses dois projetos sejam licitados no início do próximo ano, com investimento previsto de R$ 1,2 bilhão.
Outra grande expectativa para Suape é o Leilão de Energia do Ministério de Minas e Energia, que acontecerá neste mês. Há três grandes projetos de usinas térmicas a gás natural para Suape concorrendo. Tratam-se de investimentos bilionários. Apenas a CH4 Energia pretende realizar um aporte de R$ 4,5 bilhões numa planta com previsão para operar em 2024. As empresas Gasen e CHPK Energia também concorrerão ao leilão. Vilar tem expectativa que dois desses projetos sejam concretizados.

CHINESES
Investidores chineses também estão de olho nas oportunidades em Suape. No final de setembro aconteceu o Encontro de Negócios Brasil-China em Suape, promovido pelo consulado geral chinês no Recife, que trouxe para Pernambuco 22 empresários do país oriental. Vilar afirma que eles poderão investir no Terminal de Minérios no porto. Há pouco mais de um ano a China Communications Construction Company (CCCC), gigante nos investimentos de infraestrutura, tem realizado estudos e negociações em ferrovias no País, envolvendo também a conclusão da Transnordestina.

A parceria com os chineses tornou-se ainda mais necessária após a decisão da Transnordestina Logística S.A., empresa que controla a ferrovia, de priorizar as conclusões da obra no trecho entre a jazida de minérios de Paulistana (PI) para o Porto de Pecém (CE), que seria concluída em 2020, em detrimento da ligação com Suape, prevista para 2027. A saída, segundo Vilar, seria transformar Suape em um Terminal de Uso Privado (TUP), que reduziria a burocracia, ao dispensar o processo de licitação da obra (como ocorre com o porto cearense), abrindo espaço para investimentos da China.

“Os chineses trabalham numa nova Rota da Seda, onde pretendem integrar 65 países, investindo na construção de canais logísticos no mundo inteiro. O Brasil está incluído nesse programa”, explica Vilar. O presidente do complexo destacou ainda que há interesse de um banco chinês no financiamento de projetos de energia limpa, além de máquinas e equipamentos portuários.

Outra articulação recente foi a assinatura de um termo de cooperação com o Porto de Koper, na Eslovênia, considerado a porta de entrada para a região dos Bálcãs. O acordo tem a proposta de criar um hub no Nordeste, a partir de Suape, e outro na Europa Central, utilizando como base o porto esloveno.

Mesmo com o cenário de crise no País, Suape segue em crescimento. O último balanço fechado até a conclusão da reportagem é que a movimentação de cargas entre janeiro e setembro somou 17,4 milhões de toneladas. O desempenho representa um crescimento de 3,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

*Por Rafael Dantas, repórter da Algomais


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *