CONHEÇA A HISTÓRIA DO BAIRRO DO PINA NO RECIFE

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: céu, árvore, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: oceano, céu, atividades ao ar livre, água e natureza

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, atividades ao ar livre e água

A origem do nome do bairro que hoje chega a seus quase 30 mil habitantes vem da metade do século XVI ⏳ do senhor de engenho André Gomes Pina. Ele e seu irmão, chamado de “Cheira Dinheiro” 💲💲💲 se consolidaram ali com comércio e exportação de açúcar para a Europa. Cada um morava em uma ilha e elas receberam os seus nomes: Pina e Cheira Dinheiro. Ainda existiam as ilhas do Bode 🐐 da Raposa 🦊 das Cabras e a do Felipe. Mas foi a do Pina que mais fez sucesso entre o povo.

Ainda em meados do século XVI, os holandeses invadiram Pernambuco e ocuparam a ilha do Cheira Dinheiro. Ela foi usada como base para a conquista da região de Afogados.

Sabia também que Nossa Senhora do Rosário é padroeira do bairro? Isso por conta dos jesuítas ✝ que em 1600 tinham uma fazenda no local e guardavam uma imagem da santa. Séculos depois, em 1853, o Recife ganhou o “Hospital da Bubônica”, pertencente à Santa Casa de Misericórdia. Ele ficava no Pina, afastado da população e era utilizado para quarentena 😷🤒🤧 de africanos e europeus que chegavam por aqui.

Já em meados do século XX, o bairro foi marcado por suas palafitas, água e lama. Com a criação da Ponte do Pina em 1910, ficou mais fácil se deslocar para o bairro, ainda mais depois do início da passagens dos bondes, em 1924 🚂🚃 Os aterros começaram a se multiplicar na década de 1930, possibilitando o surgimento de outros tipos de construções, como moradias, ruas e pontos comerciais.

A chegada de novos empreendimentos e serviços não parou e acabou valorizando o bairro, resultando numa grande especulação imobiliária. Como isso, muitas pessoas que moravam no Pina nas décadas passadas, como os pescadores 🐟🐠🐡 tiveram que construir suas moradias em outros locais.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *