Estados: funcionalismo aumenta desigualdade de renda

A desigualdade entre Estados fica evidente quando se olha para as classes médias.

Os brasileiros mais ricos são ricos em qualquer lugar do país, e o mesmo vale para os mais pobres. Mas fazer parte da classe média trabalhadora pode jogar o indivíduo para o grupo dos mais pobres do Brasil, se ele estiver em Alagoas, ou colocá-lo entre os mais ricos caso ele esteja no Distrito Federal.

Há várias razões a explicar a disparidade, mas os salários no serviço público são determinantes, aponta estudo divulgado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Conduzido pelos economistas Carlos Góes e Izabela Karpowicz, o texto “Desigualdade no Brasil, uma Perspectiva Regional” não reflete a posição do Fundo.

Nos últimos anos, essa variação de renda entre as classes médias das diferentes regiões caiu. Mas, embora tenha ficado mais próximo ser da classe média em São Paulo ou no Maranhão, a assimetria persiste, bastante marcada pelos salários da elite do funcionalismo.

Entre 2004 e 2015, os salários do setor privado subiram, em média, 20%, já descontada a inflação. No setor público, a alta superou 40%.

Não fosse o avanço dos salários desse grupo, é possível dizer que o declínio na desigualdade regional teria sido maior no período analisado.

Não por acaso, o Distrito Federal tem renda média quase 20% acima da nacional -além de ser a unidade mais desigual do país.

Folha de S.Paulo – Flávia Lima


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *