Após 20 anos, duplicação da BR-101 em Pernambuco está mais perto do fim

Dos 25 quilômetros da BR-101 que faltavam ser duplicados, dez já foram liberados entre Palmares e a cidade de Xexéu. Fotos: Bobby Fabisak/JC Imagem

São mais de 20 anos de espera, pelo menos sete anos de obras, duas paralisações nesse período e muitos transtornos. Mas a jornada, agora, está mais perto do fim. Essa é a situação do último trecho da duplicação da BR-101 em Pernambuco, que junto com outros quatro Estados do Nordeste, representou um dos maiores legados da gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Brasil. Os 25 quilômetros da BR-101 Sul que faltavam ser duplicados, entre Palmares e a divisa com Alagoas, estão quase concluídos para alívio e a segurança viária da Mata Sul, região cortada pela rodovia. Dez deles, inclusive, já tiveram o tráfego de veículos liberado. O restante deve ser aberto, segundo previsão do governo federal, em agosto próximo, ao custo de R$ 230 milhões.

Acesse o especial multimídia AS DUAS FACES DA BR-101

Esses retornos eram improvisados, mas há muito tempo viraram “oficiais”. Ganharam até placas indicando que é permitido cruzar a BR-101. O que é um absurdo porque são muito perigosos. Vemos motoristas pegar até a contramão”,

critica Wesley Ronaldo, morador de Escada

 

Os dez quilômetros com a circulação livre começam ainda no município de Palmares e seguem até a altura da cidade de Xexéu. A partir daí, a obra segue bem avançada nos outros 15 quilômetros restantes, mas ainda com muito trabalho pendente. Cinco quilômetros estão praticamente prontos, faltando apenas a conclusão de parte das defensas (divisórias de tráfego) e de pequenos ajustes. As obras estão bem avançadas nos dez quilômetros restantes, já com a nova pista de concreto concluída em quase toda a extensão. O atraso maior é percebido quando a rodovia se aproxima da divisa com Alagoas, nas imediações do posto da Receita Federal, quase no município alagoano de Novo Lino.

Sabemos que são muitos anos de espera e muito tempo para duplicar um trecho tão pequeno, mas o que importa é que está perto. Que em mais algumas semanas tudo estará concluído”,

afirma o segurança Aluízio Bezerra.

Quem trafega pelo trecho da BR-101 Sul ou depende da rodovia para sobreviver comemora a previsão de conclusão da obra. “Sabemos que são muitos anos de espera e muito tempo para duplicar um trecho tão pequeno, mas o que importa é que está perto. Que em mais algumas semanas tudo estará concluído”, afirma o segurança Aluízio Bezerra. O posto de gasolina onde o segurança trabalha é uma prova de que a população da região espera ansiosamente pela conclusão. Foi construído há 90 dias, às margens da futura duplicação. “Abrimos apostando na circulação  da rodovia e contamos com a conclusão da obra para o movimento aumentar”, revela Aluízio Bezerra.

 

15 quilômetros ainda estão em obras entre Xexéu e a divisa com Alagoas. Previsão é de que sejam liberados em agosto de 2017

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) em Pernambuco não quis dar entrevista sobre o andamento da duplicação da BR-101 Sul, mas, por nota, confirmou que os trabalhos estão a todo vapor. Segundo o órgão, as obras de duplicação e restauração do trecho da Mata Sul – entre o quilômetro 189,3 (Palmares) e o quilômetro 213,9 (divisa PE/AL) – foram iniciadas em março de 2010 e paralisadas em agosto de 2011, devido a uma repactuação de preços solicitada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Na época, a então empresa executora dos serviços não concordou com os novos valores estipulados, motivo pelo qual o contrato foi encerrado.

 

 

Por isso, o DNIT teve que promover uma nova licitação, cuja conclusão permitiu o reinício das obras em setembro de 2014, as quais foram novamente suspensas em maio de 2016, desta vez devido a restrições orçamentárias. Somente em fevereiro deste ano os serviços foram retomados e, no fim de abril, o trecho de dez quilômetros foi liberado. Além do valor da obra viária, houve ainda custos com desapropriações e realocações de R$ 2,8 milhões.

Segundo o DNIT, os contratos de manutenção básica da BR-101 em Pernambuco encontram-se vigorando em toda a extensão da rodovia, com exceção do chamado trecho antigo da BR, que vai de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, até o Cabo de Santo Agostinho, e do contorno do Recife, entre Prazeres e o município de Abreu e Lima. O órgão garantiu estar elaborando licitação para contratação de empresa para assumir a manutenção no primeiro trecho. No caso do contorno urbano do Recife, a conservação foi repassada, via convênio, ao Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE), que está realizando os trabalhos.

IMPROVISO OFICIAL
Em Escada, no trecho já duplicado desde 2013, três retornos no meio da BR-101, nas imediações das entradas da cidade, chamam atenção porque, mesmo sendo extremamente perigosos, tornaram “oficiais”, inclusive com a indicação de placas. Para evitar os retornos oficiais, que ficam a uma distância de dois a três quilômetros do local, motoristas usam com frequência a passagem improvisada, potencializando a cada segundo os riscos de acidentes. O DNIT argumentou estar elaborando projeto para implantação de passagens inferiores na região com o objetivo de acabar com os retornos.

NE 10


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *