Ponte do Paiva fica pronta em agosto

A ponte que ligará Jaboatão à Praia do Paiva já está quase pronta.
Fruto de uma parceria entre o Governo do Estado e a iniciativa privada ( as famosas PPP) tem previsão de inauguração para setembro, coincidentemente na abertura do verão e da temporada de veraneio, com custos previstos de R$75,6 milhões.
Executada pelo consórcio Via Parque (leia-se Odebrecht, Cornélio Brennand e Ricardo Brennand) a ponte com 320 metros sobre o Rio Jaboatão teve início em 2008 e faz parte de um complexo turístico, o Reserva do Paiva, com nada menos de 4 mil residências que já estão sendo vendidas, compreendendo marinas, academias de tênis e futebol, campo de golfe e hotéis de padrão internacional, com investimentos invejáveis de cerca de R$ 1,6 bilhão.
Para chegar ao futuro condomínio de alto luxo, o governo do estado se compromete a construir as estradas de acesso, que devem ficar prontas em março do ano que vem, juntamente com a primeira parte do projeto habitacional, o condomínio Morada Península (já totalmente vendido).
Uma ligará a ponte à Bernardo Veira de Melo, em Candeias, e a outra à BR 101.
Estas obras ainda não foram iniciadas.
A ponte, que será o acesso mais curto ao litoral sul (cerca de apenas 14 quilômetros, a contar do aeroporto), terá dois pontos de pedágio, um em Barra de Jangada e outro na praia de Itapoama.

Projeto não é unânime
O projeto foi contestado pelo Ministério Público, em 2008, pela Associação dos Pescadores de Barra de Jangada.
José Severino dos Santos disse, à época, em entrevista ao Jornal do Comércio, que a obra traria impactos ambientais ao estuário.
“É um empreendimento de grande porte e, como sempre acontece nesses casos, a pesca estará comprometida”.
Segundo ele, 250 pescadores atuam na região, atravessando diariamente para trabalhar na Praia do Paiva.
“Antes que o pior aconteça, queremos que sejam avaliados os impactos ambientais”, afirmou.
Também a Associação de Defesa do Meio Ambiente de Jaboatão defendia a participação dos pescadores na discussão do empreendimento.
Segundo o presidente, Manoel Tabosa Júnior, “Devia ter audiência pública para saber o que o povo que vive dos recursos naturais da região acha do projeto. A população tem que participar do processo”.

Impacto ambiental
Uma audiência pública foi programada para o dia 30 de julho, para discutir os possíveis efeitos ambientais da construção da estrada de acesso que ligará ponte do Paiva à Pontezinha.
A audiência foi convocada pelo CPRH para ouvir a população, no Clube Intermunicipal de Prazeres.
Fonte: Gazeta Nossa/Jaboatão dos Guararapes – Edição 58 – 01 a 31 de agosto/2009
Foto: Paulo Rocha


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *