Parceria público-privada do Centro de Medicina de Reabilitação do Sul “é um caso de sucesso”

Secretário de Estado Adjunto e da Saúde visitou ontem CMR Sul em São Brás de Alportel.

Numa visita destinada a marcar os dois anos da assinatura do contrato em regime de parceria público-privada entre o Estado e o Grupo Português de Saúde, Francisco Ramos, secretário de Estado Adjunto e da Saúde, visitou ontem o Centro de Medicina de Reabilitação do Sul (CMR Sul) em São Brás de Alportel.
Criado no concelho sambrasense aproveitando e renovando a estrutura do centenário Sanatório Vasconcelos Porto, o CMR Sul tem uma lotação de 54 camas, destinadas a receber doentes de todo o país.
Liderada pela directora clínica do CMR Sul, Margarida Sizenando, a comitiva presente, que incluiu o vereador sambrasense Vítor Guerreiro, Paulo Pimenta, director-executivo do CMR Sul e Rui Lourenço, presidente da ARS Algarve, entre outros, visitou as diversas valências presentes no Centro, como as salas de terapia ocupacional, terapia da fala e a piscina, destinadas à recuperação motora dos pacientes.
Tendo sido acreditado pela CARF (Commission on Accreditation of Rehabilitation Facilities), o CMR Sul está integrado na Rede de Referenciação de Medicina Física e Reabilitação nacional, uma estrutura composta por quatro Centros semelhantes espalhados pelo país.
Destinado a utentes com lesões medulares, traumatismos crâneo-encefálicos, acidentes vasculares cerebrais e outras patologias do foro neurológico, ortopédico e cardiovascular, o CMR Sul recebeu durante o ano de 2008 cerca de 300 utentes, apresentando actualmente uma taxa de ocupação a rondar os 95 por cento, segundo Margarida Sizenando.
Questionada sobre a possível criação de uma vertente de reabilitação pediátrica em regime de internamento, ainda inexistente no CMR Sul, a responsável mostrou-se esperançada.
“É um projecto que pretendemos levar a cabo. A sua criação está dependente de um planeamento bem feito, da contratualização com os recursos humanos, da continuação das boas relações com a ARS Algarve e do bom funcionamento da parceria público-privada que tem sete anos, dos quais dois e meio já estão cumpridos”, referiu a directora clínica do CMR Sul. Margarida Sizenando assinalou ainda a parceria do Centro com a Universidade do Algarve (UAlg), que permite o intercâmbio de experiência e uma aprendizagem mais prática aos estudantes.
“Temos um protocolo global com a UAlg e depois vamos fazendo protocolos pontuais com os departamentos.
Temos já com Terapia da Fala, com Psicologia, com Enfermagem e com Ortoprotesia.
Tem sido um trabalho muito interessante e que permite desenvolver o conhecimento das duas partes para podermos progredir”, considerou a anfitriã.
Em declarações aos jornalistas, o secretário de Estado considerou o CMR Sul “uma mais valia para a saúde do Algarve e do Baixo-Alentejo”, dado que o raio de acção do Centro se estende até ao distrito de Beja.
Em relação às parcerias público-privadas realizadas entre o Estado e empresas, essencialmente na área da saúde, Francisco Ramos considerou que esta estrutura, “como primeiro exemplo deste género de parceria no nosso país é um caso de sucesso, tendo por isso uma avaliação muito positiva.”

Bruno Nunes – 06 agosto 2009
Fonte: Diário Região Sul – Algarve – Portugal


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *